Sociedade

Terceira dose da vacina covid para maiores de 65 anos começará na próxima semana

Esta inoculação vai arrancar duas semanas depois do início da campanha de vacinação contra a gripe, que também começou por vacinar os idosos nos lares. Agora, a DGS aguarda pela aprovação da Organização Mundial da Saúde para co-administrar as vacinas da gripe e da covid-19 no mesmo dia. 


Para a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, a vacinação contra a covid-19 em Portugal foi "inequivocamente um sucesso", embora a própria não tenha ainda a confirmação de que o país tenha alcançado 85% de população totalmente vacinada, estando possivelmente já acima deste valor. 

Segundo a diretora-geral, os estudos indicam que "há uma atenuação" da proteção contra a covid-19 com o passar do tempo, "sobretudo em alguns grupos". Desta forma, a Direção-Geral da Saúde (DGS) tomou a decisão de administrar uma dose de reforço a imunocomprometidos e a pessoas com 65 ou mais anos, confirmou Graça Freitas, na conferência de imprensa realizada pela DGS, esta sexta-feira. 

"É preciso dar um reforço à imunidade. Não quer dizer que a tenham perdido, mas é preciso voltar a colocá-las na proteção ótima. Vamos começar a terceira dose da vacina a pessoas de 65 anos", afirmou Graça Freitas.

A administração da terceira dose da vacina contra o vírus vai começar para próxima semana e os grupos prioritários incluem pessoas "com idade avançada" com mais de 80 anos e também aqueles que vivem em lares. 

Esta inoculação vai arrancar duas semanas depois do início da campanha de vacinação contra a gripe, que também começou por vacinar os idosos nos lares. Brevemente, a Organização Mundial da Saúde deverá emitir um documento, que poderá aprovar a administração da duas vacinas - a da gripe e da covid-19 - no mesmo dia em "locais anatómicos diferentes", disse Graça Freitas, acrescentando que a co-administração seria ótima para a gestão dos enfermeiros e das pessoas. "Nós gostavamos muito que fosse possível a co-administração, mas estamos preparados para os dois cenários", apontou a diretora-geral. 

Até lá, a vacinação contra a gripe e da terceira dose contra o novo coronavírus será realizado "num sistema misto", entre centros de saúde e postos de vacinação - mediante a densidade populacional de cada localidade -, com 14 dias de intervalo. A convocatória irá seguir os mesmos contornos que foram feitos no início da campanha de vacinação: as pessoas irão receber SMS e caso não respondam, serão telefonados ou receberão uma carta com a respetiva convocatória. 

Até à data, 130 mil doses da vacina contra a gripe já foram administradas, das quais 63 mil foram em pessoas com mais de 80 anos. "O país nunca teve tantas vacinas da gripe", frisou Graça Freitas, ao indicar que Portugal comprou cerca de três milhões de vacinas contra a gripe este ano. 

Agora, a atividade epidémica em Portugal é "de maior alívio". “Felizmente estamos numa fase epidémica ligeira a moderada", evidenciou Graça Freitas na conferência de imprensa. Ainda assim, a diretora ressalvou a continuidade da vigilância por parte das autoridades de saúde, que farão uma "avaliação constante de risco" de infeção por covid-19.