Sociedade

GNR realizará operação de fiscalização intensiva aos veículos pesados entre amanhã e domingo

A operação ECR Veículos Pesados visa detetar irregularidades ao nível dos tempos de condução e repouso e da manipulação de tacógrafos.


A Guarda Nacional Republicana (GNR) realizará uma operação de fiscalização intensiva aos veículos pesados - ECR Veículos Pesados -, focando-se "nas vias mais críticas à sua responsabilidade, e onde se verifique um maior volume de tráfego deste tipo de veículos, de modo a promover a segurança rodoviária e a diminuição do risco de ocorrência de acidentes de viação", como é possível ler no comunicado enviado aos órgãos de informação através do qual a força de segurança explica que levará a cabo esta operação entre amanhã e o próximo domingo.

Sabe-se que estarão envolvidas as subunidades de trânsito dos Comandos Territoriais do Continente e da Unidade Nacional de Trânsito (UNT) na realização de ações coordenadas de fiscalização de veículos pesados, sendo que as mesmas "procuram levar a efeito ações de controlo de veículos pesados de mercadorias e passageiros" para detetar irregularidades ao nível dos tempos de condução e repouso e da manipulação de tacógrafos

Entre os anos de 2019 e 2020, a GNR registou 11 mil e 159 acidentes envolvendo veículos pesados, dos quais resultaram 14 vítimas mortais e 36 feridos graves, entre condutores e passageiros. No ano corrente, já realizou três operações de fiscalização neste âmbito, nos períodos compreendidos entre os dias 8 a 14 de março, de 19 a 25 de abril e de 10 a 16 de maio, tendo sido fiscalizados mais de 11 300 condutores de veículos pesados e registadas mais de 7500 contraordenações.

O Euro Contrôle Route (ECR) é um grupo Europeu de Inspeção de Transportes que visa melhorar a segurança rodoviária e a sustentabilidade, a concorrência leal e as condições de trabalho no transporte rodoviário. A GNR salienta que "a concorrência verificada entre operadores de transportes rodoviários, origina, por vezes, a redução de preços por parte dos transportadores" e esta "é, em alguns casos, compensada através da prática de irregularidades para aumentar a receita em detrimento da segurança rodoviária, sendo o cansaço o principal fator de risco que afeta os motoristas profissionais em resultado do incumprimento dos tempos de condução e repouso".