Economia

Nobel da Economia vai para três norte-americanos

Real Academia Sueca das Ciências atribui o galardão deste ano a David Card, Joshua D. Angrist e Guido W. Imbens.


O Nobel da Economia deste ano foi atribuído, esta segunda-feira, aos economistas norte-americanos David Card, Joshua D. Angrist e Guido W. Imbens.

No caso de David Card, o prémio foi atribuído pelas suas “contribuições empíricas para a economia do trabalho”.

Já Joshua D. Angrist e Guido W. Imbens receberam o prémio pela sua “contribuição metodológica para a análise de relações causais”.

“Os laureados em ciências económicas de 2021 forneceram-nos novas visões sobre o mercado laboral e demonstraram que conclusões sobre causa e efeito podem ser retiradas de experiências naturais. A sua abordagem espalhou-se a outros campos e revolucionou a pesquisa empírica”, sublinhou a Academia das Ciências da Suécia.

Segundo o Comité, o trabalho dos laureados deste ano “demonstrou que as experiências naturais podem ser usadas para responder questões fulcrais para a sociedade, como perceber como os salários mínimos ou a imigração afetam os mercados laborais”, diz o Comité. E acrescentou: “também clarificaram exatamente que conclusões sobre causa e efeito podem ser tiradas quando se usa este método de investigação. Juntos, revolucionaram a investigação empírica nas ciências económicas”.

Recorde-se que, no ano passado, o Prémio Nobel da Economia foi atribuídos aos dois norte-americanos Paul R. Milgrom e Robert B. Wilson pelas “melhorias na teoria dos leilões e a criação de novos formatos de leilão”.