Sociedade

Três detidos por tentativa de homicídio durante negócio fictício de droga em Aveiro

Os suspeitos são “ligados ao mundo da noite, residentes na área metropolitana do Porto, um deles sem ocupação profissional definida, outro segurança privado e o terceiro praticante federado de artes marciais”.


Três homens, com idades entre os 24 e os 33 anos, foram detidos por tentarem matar um outro indivíduo durante um “negócio de droga fictício”. Em comunicado, esta sexta-feira divulgado, a Polícia Judiciária (PJ) refere que os suspeitos são “ligados ao mundo da noite, residentes na área metropolitana do Porto, um deles sem ocupação profissional definida, outro segurança privado e o terceiro praticante federado de artes marciais”.

O caso remonta a finais do mês de fevereiro de 2020, quando os suspeitos se deslocaram a Aveiro para, “supostamente, fazerem a entrega de significativa quantidade de produto estupefaciente, a um indivíduo residente nesta cidade, com 36 anos, sem ocupação profissional concreta, que havia contactado o alegado fornecedor, que não conhecia, através de um intermediário residente no estrangeiro”.

A PJ revela que “conforme previamente combinado, o encontro inicial decorreu junto a uma grande superfície comercial da cidade, seguindo depois todos para um local mais recatado, nas imediações, para concretizarem o negócio fora da vista de eventuais transeuntes”.

Foi já nesse local que os suspeitos atacaram o comprador “para lhe roubarem o dinheiro destinado ao pagamento da droga, acabando um deles por o alvejar com dois disparos de arma caçadeira com os canos serrados”.

A vítima, apesar de gravemente ferida, conseguiu fugir e sobreviveu “graças ao auxílio de um amigo que observava o encontro à distância e que a transportou para o hospital”.

Os três detidos têm antecedentes criminais, nomeadamente de roubo, de tráfico de estupefacientes e de passagem de moeda falsa.

Os detidos foram presentes às Autoridades Judiciárias competentes, para primeiro interrogatório judicial, tendo sido aplicadas as medidas de coação de prisão preventiva ao autor dos disparos, e, aos dois outros, de proibição de contactos com a vítima e de apresentações periódicas no posto policial da área das respetivas residências.