Opiniao

Alianças e ruturas anglo-portuguesas - Parte 2

Durante o seu reinado de dezasseis anos Fernando I dissipou esta grande riqueza através de uma série de guerras, intrigas e aventuras temerárias que provocaram uma redução do comércio, consequente inflação e muita consternação nos seus súbditos. 


Por Roberto Knight Cavaleiro

Parte 2: O Tratado de Windsor 1386

Em 1353, os mercadores e marinheiros do cosmopolita porto de Lisboa concluíram um tratado não oficial com o rei Eduardo III da Inglaterra, que aumentou enormemente o comércio português com os países do norte da Europa. No final do reinado de D. Pedro I (o Justiceiro) em 1367, o cronista Fernão Lopes relata que cerca de 450 navios mercantes estariam no estuário do Tejo e que 12.000 tonéis de vinho passavam ali num ano. As receitas da alfândega eram imensas e parcialmente utilizadas para beneficiar uma população agradecida, enquanto o restante ia para os cofres reais mantidos na fortaleza de Lisboa onde 800.000 moedas de ouro e 400.000 marcos de prata foram herdados pelo sucessor rei Fernando I (o Inconstante).

Durante o seu reinado de dezasseis anos Fernando I dissipou esta grande riqueza através de uma série de guerras, intrigas e aventuras temerárias que provocaram uma redução do comércio, consequente inflação e muita consternação nos seus súbditos. Desde o início ele esteve envolvido numa série de disputas e alianças secretas com as monarquias de Leão, Castela e Aragão (todas ligadas por casamentos e uniões) que estavam em guerra entre si quando não lutavam contra os mouros nas suas fronteiras do sul.

A duplicidade do rei Fernando I ao assinar tratados de aliança com Castela e Inglaterra em 1373 foi recompensada por dez anos de caos durante os quais os seus súbditos chegaram perto da guerra civil. As classes comerciais defenderam veementemente a continuidade da independência nacional, enquanto a maioria da nobreza e alguns membros da família real viam o seu futuro na união das coroas de Castela e Portugal. Por exemplo, os meios-irmãos de Fernando, filhos do caso do pai com Inês de Castro, foram viver para Castela, casaram-se com princesas castelhanas e estabeleceram uma forma rival de “governo no exílio”. Além disso, à medida que Fernando enfraquecia por causa da doença, o domínio do seu reino passou para a sua rainha D. Leonor (Teles de Menezes) e o seu amante João Andeiro (o novo conde de Ourém), que eram igualmente hábeis no jogo duplo.

Em 1381, Andeiro renovou os termos do Tratado de 1373, convidando o duque de Cambridge a desembarcar em Portugal com 3.000 soldados ingleses que provaram ser destreinados, indisciplinados e desleixados. Não sendo remunerados, esses mercenários formaram grupos de assalto que saquearam cidades de ambos os lados da fronteira, causando grande angústia aos cidadãos aterrorizados e indignação das classes médias portuguesas, algumas das quais eram descendentes de ingleses. Eventualmente, esta ralé foi posta de lado e, com as tropas portuguesas, enfrentou o exército castelhano perto de Badajoz / Elvas mas a batalha não foi travada porque foi alcançado um acordo secreto pelo qual a filha de Fernando, Beatriz se casaria com o filho mais novo do rei Juan, e este promovia a evacuação das restantes forças do zangado Cambridge em navios da marinha castelhana. Quando o rei Juan ficou viúvo em março de 1383, esse arranjo foi substituído pela sua decisão de tomar a jovem Beatriz como sua esposa e que o seu primeiro filho masculino se tornaria o rei das duas nações unidas.

Na brecha causada por esse pântano entrou João de Avis (1357-1433), que se tornaria defensor e rei durante 43 anos. Foi um dos muitos filhos ilegítimos de D. Pedro I e recebeu tutela religiosa e cultural do Grão-Mestre galego da Ordem de Cristo. Ao saber do plano do rei Juan de Castela para assegurar para si o trono de Portugal, liderou uma insurreição contra a autoridade da Rainha D. Leonor e foi com o Mestre de Santiago à Inglaterra para angariar tropas que lutariam ao lado das forças reunidas pelo jovem Nun`Alvares Pereira no Alentejo. Apesar de uma pequena vitória em Atoleiros, o número superior de castelhanos permitiu-lhes penetrar até Lisboa, mas aí foram afligidos pela peste que matou diariamente várias centenas de soldados e fez com que o rei Juan retirasse todas as suas forças no inverno para Sevilha. Isto permitiu a João de Avis consolidar a sua posição e a 6 de abril de 1384 foi proclamado Rei João I e prontamente propôs ao rei inglês Ricardo II uma nova e mais forte aliança. Ao ouvir falar deste rei, Juan reentrou no território português, mas após pequenas escaramuças em Trancoso e Porto de Mós foi derrotado na batalha de Aljubarrota em 14 de agosto de 1385.

Esta vitória levou imediatamente à afirmação por John de Gaunt da sua reivindicação por casamento ao trono castelhano e uma proposta de que os exércitos portugueses e ingleses deveriam lançar um ataque. Para formalizar isso, um tratado muito mais abrangente da Aliança Anglo-Portuguesa foi concluído em Windsor em maio de 1386, que se aplicaria não apenas ao território dos dois reinos, mas aos seus cidadãos onde quer que estivessem - no mar ou em terra. D. João I enviou uma esquadra de seis galeões para apoiar um bloqueio aos portos franceses enquanto Lancaster chegava à Corunha com uma força inicial de 5.000 homens de armas que encontraram um maior número de tropas portuguesas em Bragança. Mas a resistência dos castelos e cidades de Leão foi mais forte do que o esperado e o Condestável Nun`Alvares, que não ficou impressionado com as habilidades de Lancaster ou das suas tropas, foi forçado a se retirar para um terreno mais seguro.

John de Gaunt então retirou as suas reivindicações à monarquia de Castela em troca do pagamento de uma grande indeminização e um acordo para que a sua filha Catarina se casasse com o futuro rei Henrique III. Em seguida, evacuou para Bayonne a sua reduzida força expedicionária em catorze galés fornecidas pelo seu genro, o rei D. João I, que se casara com a sua filha mais velha, Phillipa, no ano anterior. Isso deixou o rei João I ainda em guerra com Castela sem a ajuda prometida no Tratado de Windsor que, no entanto, ele ratificou enquanto os navios de guerra portugueses continuavam a servir na defesa da Inglaterra até a trégua anglo-francesa acordada em 1389. John de Gaunt jogou no depois, nas guerras peninsulares, contentando-se em desfrutar da sua grande pensão e da renda das suas muitas propriedades.

Na Parte 3 revisaremos as inconsistências das sucessivas alianças anglo-portuguesas até aos tempos modernos.

Imagem 1 - Nuno Álvares Pereira - batalha de Aljubarrota

Imagem 2 - Tratado de Windsor