Politica

Marcelo: "Sem Orçamento, avanço para a dissolução do Parlamento"

A posição do chefe de Estado surge após o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, revelar que o partido irá votar contra a proposta do Governo, juntando-se ao BE – que ainda está disposto a negociar –, PSD, CDS-PP, Chega e IL.


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reiterou, esta segunda-feira, que se o Orçamento do Estado para 2022 (OE 2022) não for aprovado na generalidade, cuja votação decorrerá na quarta-feira, irá avançar para a dissolução do Parlamento.

"A minha posição é muito simples: ou há Orçamento ou não há e avanço para o processo de dissolução. Ainda há pouco dizia aqui no seminário que as pessoas têm de pensar que há vida além da semana que vem. Neste desconfinamento, de repente as pessoas são chamadas para reações muito imediatistas, é preciso pensar nas consequências que são menos a curto prazo. Até ao último segundo mantenho aquilo que disse, que o mais desejável era que o Orçamento passasse", explicou aos jornalistas.

A posição do chefe de Estado surge após o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, revelar que o partido irá votar contra a proposta do Governo, juntando-se ao BE – que ainda está disposto a negociar –, PSD, CDS-PP, Chega e IL.

No total, o documento tem 108 votos a favor de deputados do PS, 115 contra e cinco abstenções.

O Partido Ecologista ‘Os Verdes’ irá anunciar a sua decisão esta tarde, mas, mesmo que os dois deputados votem a favor, será insuficiente para aprovar a proposta do Executivo.