Politica

Deputado do PSD sugere que Rio fez "manobras de secretaria"

Pedro Rodrigues recorreu ao Facebook para criticar a missiva hoje enviada pela direção de Rio aos militantes alaranjados.


Pedro Rodrigues, deputado social-democrata, considerou que a carta enviada hoje aos militantes do PSD - em que direção lhes pediu para que refletissem acerca da data das diretas, incentivando ao seu adiamento -, se tratou de uma “manobra de secretaria”.

O antigo líder da JSD, afeto a Paulo Rangel, recorreu ao Facebook para considerar que as “posições que a direção” tem tomado nos últimos dias “revelam uma desorientação coletiva” que o deixa “profundamente preocupado”.

Nas palavras do deputado, a carta – que tem uma “narrativa pouco comprometida com a verdade”, - o “profundo desrespeito demonstrado por quem pensa de forma diferente e os ataques e pressões absolutamente inaceitáveis feitos ao Presidente da República, significam um trajeto que o PSD tem rapidamente de inverter”.

“A obsessão que a direção do Partido revela em suspender as eleições internas por si marcadas, significam, por um lado, um manifesto receio em enfrentar a opinião dos militantes e, por outro, significaria a perda da oportunidade de o partido desenvolver uma saudável discussão interna que permita assegurar a unidade do partido e o fortalecimento de uma alternativa galvanizadora para Portugal” – acrescentou.

Mostrando preocupação que estas ações resultem num “processo similar” ao do CDS, Pedro considera que “o PSD precisa de rapidamente concluir o seu processo de escolha da liderança, definir o seu candidato a Primeiro-Ministro e definir o seu programa eleitoral". Por fim, pede que tal seja feito “sem expedientes e sem manobras de secretaria”.