Sociedade

Fenprof suspende greve marcada para sexta-feira

No entanto, a Fenprof anunciou que irá associar-se à greve da administração pública, agendada para 12 de novembro.


A Federação Nacional de Professores (Fenprof) revelou, esta terça-feira, que irá suspender a greve agendada para a próxima sexta-feira, dia 12 de novembro, devido ao chumbo do Orçamento do Estado para 2022.

Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, afirmou que a greve estava “intimamente ligada ao Orçamento do Estado e à ida do ministro [da Educação] ao parlamento" para a sua discussão na especialidade, junto da comissão parlamentar, pelo que foi decidido suspender a greve.

Em Coimbra, após a reunião do secretariado da Fenprof, o responsável sublinhou que a greve foi suspensa, mas não anulada, e que a Fenprof vai deixar a ação de luta "em carteira para um momento em futuro próximo". Nomeadamente, caso seja apresentada "pelo próximo Governo uma proposta de Orçamento do Estado semelhante à que agora foi chumbada, no dia em que o futuro ministro da Educação se deslocar à comissão parlamentar de Educação para audição sobre a mesma".

No entanto, a Fenprof anunciou que irá associar-se à greve da administração pública, agendada para 12 de novembro.

“Não era uma greve associada à deslocação de qualquer ministro ao parlamento, destinando-se a passar ao Governo e ao país que os trabalhadores da administração pública não se conformam com a desvalorização a que têm sido alvo nem com a degradação dos serviços públicos que não foi iniciada pelo atual Governo, mas prosseguida por ele", disse Mário Nogueira.

Já esta terça-feira, o Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE) tomara uma decisão semelhante.

“Não faz sentido manter esta greve de dia 05 de novembro, na qual se reivindicava a reabertura das negociações com o Ministério da Educação, e sujeitar os professores a perderem um dia de salário, quando, na prática, não temos interlocutor, dado o atual contexto político motivado pelo chumbo do Orçamento do Estado para 2022, que trará, certamente, novas eleições", explicou a presidente do sindicato em comunicado.

Os comentários estão desactivados.