Desporto

Treinador de atletismo Rana Reider será investigado sobre suspeitas de má conduta sexual

As acusações contra o treinador americano de 51 anos de idade já tiveram consequências: o UK Athletics, órgão que rege os eventos de atletismo no Reino Unido, aconselhou aos atletas Gemili e Neita para cessarem contacto com o treinador.


Rana Reider, um dos principais treinadores de atletismo do mundo, será investigado pelo US Center for SafeSport – uma organização americana sem fins lucrativos que tem como missão acabar com o abuso sexual, físico e emocional em nome dos atletas – após várias queixas de má conduta sexual, revela o The Guardian.

O treinador ganhou um bom currículo no desporto depois de ter guiado vários campeões olímpicos e mundiais à vitória, como por exemplo Andre de Grasse, medalhista olímpico de ouro de 200 metros de Tóquio 2020, ou Christian Taylor, campeão mundial de salto triplo. O americano também treina inúmeros outros atletas de elite, incluindo os britânicos Adam Gemili e Daryll Neita.

As acusações contra o treinador americano de 51 anos de idade já tiveram consequências: o UK Athletics, órgão que rege os eventos de atletismo no Reino Unido, aconselhou aos atletas Gemili e Neita para cessarem contacto com o treinador ou a sua participação no Programa de Classe Mundial, incluindo o financiamento da lotaria, que serão suspensos. Uma mensagem semelhante foi transmitida a outros atletas britânicos que estavam a considerar mudar-se para os EUA para treinar sob o comando de Reider.

Contactado pelo mesmo jornal britânico na terça-feira passada, Reider negou ter conhecimento da investigação da SafeSport e disse não ter sido informado das instruções do UK Athletics a Gemili e Neita. "Podem chamar o meu advogado porque isto é novidade para mim", afirmou. Segundo o advogado do treinador, Ryan Stephens, as acusações são "não confirmadas" e "não provadas", disse. “A SafeSport não emitiu um aviso de alegações a Rana” e “o timing suspeito e os motivos ligados a estes ataques não provados à reputação de Rana precisam de ser completamente investigados e verificados, e não o foram”, insistiu.