Politica

Miguel Albuquerque diz que não vai "apoiar nenhum candidato" à liderança do PSD

Miguel Albuquerque sublinhou ainda que também não tem opinião sobre se as eleições internas dos sociais-democratas devem realizar-se antes ou depois das eleições legislativas antecipadas.


Miguel Albuquerque, líder do PSD/Madeira, declarou, esta quinta-feira, que não vai apoiar nenhum dos candidatos à liderança do partido. O objetivo é manter “a liberdade de escolha” dos militantes da região.

“Eu como presidente do partido, o secretário-geral do PSD/Madeira [José Prada] e o líder parlamentar [Jaime Filipe Ramos] não vamos apoiar nenhum candidato para manter a liberdade de escolha dos militantes aqui na Madeira e para nós não fragmentarmos nesta eleição interna a unidade do partido”, disse o também presidente do Governo Regional da Madeira, à margem da apresentação de 15 novos autocarros turísticos da empresa Horários do Funchal.

Miguel Albuquerque sublinhou ainda que também não tem opinião sobre se as eleições internas dos sociais-democratas devem realizar-se antes ou depois das eleições legislativas antecipadas e disse que transmitiu aos candidatos que devem “esclarecer os militantes da Madeira e com todas as condições de liberdade”.

Quanto às legislativas antecipadas, Miguel Albuquerque disse que, se fosse o Presidente da República,”escolheria possivelmente a primeira semana de fevereiro”.

“Eu sou defensor que as datas devem levar em linha de conta a possibilidade de nos partidos à direita ficar tudo esclarecido. Sou contra a possibilidade de qualquer um dos partidos não ter a possibilidade de clarificar as lideranças e de reforçar a legitimidade dessas lideranças”, justificou.

Recorde-se que concorrem à liderança do PSD Rui Rio, Paulo Rangel e Nuno Miguel Henriques. As diretas estão marcadas para 4 de dezembro e, este, sábado, o Conselho Nacional do PSD vai reunir-se para analisar a situação política e um pedido de antecipação do Congresso de janeiro para dezembro.