Economia

Montepio. Pedro Gouveia Alves já oficializou candidatura

"Sabemos que é preciso mudar a fórmula da gestão que, nos últimos tempos, tem vindo a ser adotada”, afirmou Pedro Gouveia Alves, na apresentação da candidatura. O ato eleitoral vai decorrer no dia 17 de dezembro.


A lista D liderada por Pedro Gouveia Alves, atual presidente do Montepio Crédito, à liderança da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) já oficializou a candidatura. A apresentação teve lugar esta terça-feira no Teatro Tivoli. 

Tal como o i avançou, o candidato pretende recuperar o valor dos ativos da Mutualista: Banco e subsidiárias, seguradoras, gestoras de ativos e fundos de pensões e imóveis. O ato eleitoral vai decorrer no dia 17 de dezembro.

"É com elevado espírito de missão que este grupo de pessoas, que integram a lista que encabeço, aceitou este desafio. Sabemos, todos, o trabalho imenso que temos pela frente. Mas também sabemos que é preciso mudar a fórmula da gestão que, nos últimos tempos, tem vindo a ser adotada”, afirmou Pedro Gouveia Alves, na apresentação da candidatura. E acrescentou: “Nunca como nos dias que vivemos o Mutualismo foi tão necessário e, na nossa opinião, a Associação não tem sabido estar à altura dos novos desafios. Não tem sabido apoiar os seus associados e constituir-se como a instituição de referência que, em tempos, já foi, com elevado relevo na sociedade portuguesa”, referiu.

De acordo com Pedro Gouveia Alves, os números da Associação Mutualista, recentemente apresentados, “ditam, por si só, a necessidade de um novo olhar sobre a Instituição. Mas aos números, junta-se a manifesta desmotivação dos seus trabalhadores e o descontentamento muitas vezes velados dos associados”, assim, face a um cenário que tem vindo a piorar de ano para ano, “não faz sentido falar em continuidade. É imperativo que a nossa Associação ganhe novo fôlego, aposte em abordagens de proximidade com os associados e que garantam a melhoria do desempenho das várias participadas, pois só assim estaremos a dar ao mutualismo a importância que ele efetivamente tem”, completou.

Tal como já tinha sido avançado pelo i, a lista D pretende desenvolver “eixos de suporte às pessoas na sua vida ativa: previdência e poupança, complemento de saúde, longevidade e gestão de patrimónios”, assim como “gerar valor social a médio e longo prazo através da afirmação na economia social, relação com os públicos e melhoria da qualidade de vida”.

Outro eixo do programa assenta na “estratégia de modernização do mutualismo: investigação, formação e capacitação dos atores da economia social e parcerias para o empreendedorismo e qualidade das respostas sociais”.

Além de Pedro Gouveia Alves, a lista D é composta por Pedro Líbano Monteiro; por Nuno Paramés Paz; por Maria Eduarda Botelho Fernandes; Paula Guimarães; por Fernanda Freitas; e por José João Cabeças (que se propõem para vogais do conselho de administração).

Para o Conselho Fiscal está proposto pela lista D, Paulo André (presidente); Teresa Fiúza Fernandes e António Lopes Coutinho (vogais). Por fim surgem na lista Catarina de Albergaria Pinheiro e Carlos Antão de Oliveira como vogais suplentes.

Este é o terceiro programa a ser conhecido. O primeiro foi de Virgílio Lima (lista A), seguido por Eugénio Rosa (lista C).