Sociedade

Cinco arguidos prestaram declarações ao juiz Carlos Alexandre. Amanhã reiniciará interrogatório da Operação Miríade

Amanhã será retomada a diligência pelo juiz Carlos Alexandre, onde serão conhecidas as medidas de coação por parte do Ministério Público (MP) e as alegações dos advogados de defesa. Depois serão apresentadas as medidas de coação pelo juiz de instrução. 


O juiz de instrução Carlos Alexandre interrompeu, esta terça-feira, o interrogatório dos onze arguidos detidos na Operação Miríade, depois de mais de cinco horas de diligência no Juízo de Instrução Criminal de Lisboa. O interrogatório será retomado na quarta-feira, amanhã, às 09h30. 

No primeiro dia de interrogatório formal, segundo indica uma fonte do tribunal à agência Lusa, cinco arguidos prestaram declarações: Fernando Delfino, (civil), Luís Chantre (ex-comando), Emanuel Marques (civil), Michael Oliveira (agente da PSP) e Artur Amorim (advogado). Já os restantes seis detidos decidiram não prestar declarações esta terça-feira. 

Amanhã será retomada a diligência pelo juiz Carlos Alexandre, onde serão conhecidas as medidas de coação por parte do Ministério Público (MP) e as alegações dos advogados de defesa. Depois serão apresentadas as medidas de coação pelo juiz de instrução. 

A Polícia Judiciária executou ontem 100 mandados de busca e deteve 11 pessoas, incluindo militares, um advogado, um agente da PSP e um guarda da GNR, no âmbito da Operação Miríade, que está a investigar suspeitas de tráfico de diamantes e de ouro por militares portugueses em missões realizadas na República Centro Africana (RCA).

Segundo uma fonte ligada ao processo disse ao mesmo órgão de comunicação que há mais de seis dezenas de outras pessoas e cerca de 40 empresas - algumas que funcionariam para esconder os negócios que envolviam diamantes, ouro, droga e bitcoins - nesta rede criminosa. 

De acordo com as infomações obtidas pelo i junto de forças policiais, elementos de gangues das zonas suburbanas de Lisboa têm vindo, ao longo dos últimos anos, a infiltrar-se nas Forças Armadas e a utilizar as missões portuguesas em países em guerra para fazerem tráfico de diamantes, ouro e droga. 

Os comentários estão desactivados.