Internacional

ONU responde a Elon Musk e cria plano para acabar com a fome no mundo

As provocações entre Elon Musk e a ONU começaram após David Beasley, diretor do Programa Alimentar Mundial (PAM) das Nações Unidas, ter afirmado que 2% da fortuna do empresário sul-africano resolveria o problema de fome em todos os territórios do globo.


Cerca de duas semanas após o fundador da Tesla e o homem mais rico do mundo, Elon Musk, ter afirmado que doaria seis mil milhões de dólares [cerca de 5,1 mil milhões de euros] da sua fortuna, se a ONU conseguisse provar que esse valor é suficiente para acabar com a fome do mundo, o diretor do Programa Alimentar Mundial (PAM) das Nações Unidas, David Beasley, divulgou o plano que prova que tal é possível.

“Você pediu um plano claro e livros abertos. Aqui está! Estamos prontos para falar consigo – e com qualquer outra pessoa – que realmente queira salvar vidas”, rematou Beasley numa publicação na rede social Twitter, onde identificou Elon Musk e colocou uma hiperligação para uma página do site do PAM intitulada ‘Um apelo único aos bilionários’.

O plano da ONU está dividido em quatro partes: 3,5 mil milhões de dólares seriam gastos com alimentação e a logística para a sua entrega; dois mil milhões em vales de alimentação; 700 milhões na implementação de medidas eficientes e eficazez; e 400 milhões em operações regionais e globais.

As provocações entre Elon Musk e a ONU começaram após David Beasley ter afirmado que 2% da fortuna do empresário sul-africano resolveria o problema de fome em todos os territórios do globo.

“Se o WFP (PAM, na sigla em português) conseguir demonstrar aqui nesta ‘thread’ de Twitter como é que 6 mil milhões de dólares resolverão a fome no mundo, eu vendo ações da Tesla imediatamente e faço isso”, respondeu Elon Musk.