Economia

Vodafone Portugal mantém tendência de crescimento no segundo trimestre

Receitas de serviço atingiram os 271 milhões de euros, um crescimento de 6,4%.


Concluído o seu segundo trimestre do exercício económico 2021-2022 – que decorre de julho a setembro – a Vodafone Portugal voltou a registar um crescimento das receitas de serviço – principal indicador de negócio – “refletindo um bom desempenho nos segmentos fixo e móvel”, diz a operadora.

Assim, no trimestre findo em setembro, as receitas de serviço atingiram os 271 milhões de euros, o que representa uma taxa de crescimento de 6,4% face ao trimestre homólogo de 2020 (crescimento anual, Year on Year, ou YoY), tendo as receitas totais aumentado em igual percentagem (6,4%), contabilizando 296 milhões de euros.

Numa análise semestral, período compreendido entre abril e setembro, as receitas de serviço atingiram 529 milhões de euros (+6,9% YoY), enquanto as receitas totais aumentaram cerca de 7,4% em relação ao mesmo período no ano passado, para 577 milhões de euros. “Este desempenho foi suportado pelo crescimento dos negócios de móvel e fixo, em resultado do aumento da base de clientes em ambos os segmentos”, explica a operadora liderada por Mário Vaz.

Para a Vodafone Portugal não há dúvidas que “os resultados hoje apresentados refletem uma maior resiliência ao nível do segmento móvel, impulsionada pela qualidade da rede e pela sazonalidade associada ao período de verão, bem como pelo acréscimo de utilização de dados móveis e a manutenção de um sustentado crescimento do negócio fixo”.

No período em análise, o número de clientes fixos totalizou, no serviço de banda larga, 847 mil (9,0% YoY) e os clientes de TV ascenderam a 780 mil (9,3% YoY). E acrescenta que “os resultados alcançados só são possíveis graças à continua estratégia de investimento e inovação nesta área de negócio e ao reconhecimento dessa estratégia por parte dos nossos clientes”. 

Durante este segundo trimestre, a Vodafone Portugal continuou a expandir a sua presença na rede de fibra em todo o país. No final de setembro, a rede FTTH de última geração alcançou 4,0 milhões de lares e empresas (+11,0% YoY).

O desempenho alcançado no segundo trimestre foi também impulsionado pelo desempenho positivo do negócio móvel. Face ao período homólogo do ano passado, as receitas de roaming, visitantes e pré-pago aumentaram tendo, consequentemente, um impacto positivo na evolução do principal indicador de negócio da empresa. A base total de clientes do serviço móvel atinge assim 4,688 milhões de clientes, o que representa um ligeiro aumento de 1,7% face a setembro de 2020.

“Os resultados hoje apresentados espelham uma trajetória de crescimento que reforça o nosso empenho em dar continuidade a uma estratégia de prestação de serviço focada nos nossos Clientes. São uma motivação extra para toda a equipa de colaboradores e parceiros que se empenham em ajudar os clientes a tirarem o melhor partido da nossa tecnologia”, diz Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal.

E acrescenta que “o reconhecimento do nosso esforço por parte dos nossos clientes resulta claramente de muitos estudos de mercado de que é exemplo recente a nossa presença, como única marca de telecomunicações, no top 20 das marcas mais admiradas em Portugal”.

Mário Vaz acrescenta ainda que, “conscientes da responsabilidade que advém do facto de sermos uma marca admirada e da liderança que sempre demonstrámos na disponibilização da melhor tecnologia ao serviço das empresas e consumidores nacionais, a Vodafone investiu de forma muito expressiva na aquisição de espetro 5G”.

“Este investimento, juntamente com a experiência que retiramos de outros mercados europeus onde a empresa já lançou estes serviços e com o trabalho realizado localmente nos últimos anos – para termos a rede preparada para o seu lançamento em Portugal – permite que estejamos certos de que continuaremos a dar um importante contributo ao País na dinamização, na competitividade das Empresas e na melhoria da qualidade de vida dos Portugueses”, finaliza o responsável.