Internacional

Taxista britânico chamou pela mulher após impedir ataque terrorista em Liverpool

“Alguém tentou fazer-me explodir. Quero a minha mulher”, disse o taxista ‘herói’ ao segurança do Hospital de Saúde Feminina de Liverpool, após ter trancado um bombista suicida dentro do táxi.


“Alguém tentou fazer-me explodir. Quero a minha mulher”, foram estas as primeiras palavras de David Perry, o taxista que estava a trabalhar na manhã de domingo e evitou um ataque terrorista em Liverpool, na Inglaterra.

O relato foi feito por Darren Knowles, um segurança do Hospital de Saúde Feminina de Liverpool e a primeira pessoa a prestar auxílio ao taxista.

Em declarações ao jornal Daily Mirror, Knowles confessa que não percebeu imediatamente o que se estava a passar. “Achei que era uma falha mecânica do táxi, que o motor tinha pegado fogo”, contou. “Até que vi o taxista a fugir”.

“Peguei nele e tentei colocá-lo em segurança”, disse, acrescentando que o taxista repetia “ele tentou fazer-me explodir, ele tentou fazer-me explodir”.

Segundo o segurança, Perry “estava muito desorientado e confuso”. “Ele tentava dizer-nos: ‘há um passageiro, há um passageiro’”, relatou.

Apesar do perigo e de estar ferido numa orelha e no pescoço devido aos estilhaços, o taxista ainda tentou voltar à viatura para recuperar os seus pertences.

“A minha prioridade era evitar que o taxista voltasse ao carro, porque ele tinha lá o seu telemóvel e outras coisas e queria tirá-las de lá. Levei-o a uma enfermeira para que ele pudesse receber tratamento médico”,

O incidente ocorreu no passado domingo pelas 11h. David Perry estava a trabalhar quando recebeu um pedido para ir para o Hospital de Saúde Feminina de Liverpool. No entanto, o que parecia ser uma viagem normal acabou por se tornar numa tentativa de ataque terrorista. Perry, conhecido agora em todo o mundo como o ‘taxista herói’, apercebeu-se das intenções do passageiro e quando chegou ao destino decidiu trancá-lo dentro da viatura.

As autoridades britânicas acreditam que o objetivo seria perpetrar o atentado na Catedral de Liverpool, perto do Hospital Feminino, onde decorria uma cerimónia relacionada com o Dia do Armistício.