Sociedade

Morreu António Osório de Castro, poeta e antigo bastonário da Ordem dos Advogados

Tinha 88 anos.


Morreu, esta quinta-feira, aos 88 anos, António Osório de Castro, antigo bastonário da Ordem dos Advogados.

"Faleceu hoje, dia 18 de Novembro de 2021, o Ilustre Colega, Dr. António Osório de Castro, Bastonário da Ordem dos Advogados no Triénio 1984-1986. O Senhor Bastonário, Prof. Doutor Luís Menezes Leitão, e o Conselho Geral manifestam o seu mais profundo pesar pelo falecimento do nosso Ilustre Colega, Bastonário António Osório de Castro, e apresentam sentidas condolências à sua Família", lê-se numa nota divulgada no site oficial da Ordem dos Advogados.

António Osório de Castro nasceu a 1 de agosto de 1933, em Setúbal, e licenciou-se em julho de 1956 na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Antes de ter sido eleito bastonário, António Osório de Castro desempenhou vários cargos na Ordem dos Advogados, entre os quais o de Vogal do Conselho Distrital de Lisboa, Vogal do Conselho Geral e Vice-Presidente (1978-1980) e Vogal do Conselho Superior (1981-1983).

“Foi, além disso, sob o nome de António Osório, um Poeta de enorme qualidade, tendo recebido vários prémios como o Prémio Literário Município de Lisboa (1982), o Prédio P.E.N. Clube Português de Poesia (1991) e o Prémio Autores (2010)”, sublinha a mesma nota.

Como poeta, António Osório deixa obras como Raiz Afectuosa (1972), A Ignorância da Morte (1978), O lugar do Amor (1981), Planetário e Zoo dos Homens (1990), Casa das Sementes (2006) ou A Luz Fraterna (2009).