Internacional

Ministro da Educação francês afirma apoiar o desenvolvimento da língua portuguesa

O governante francês prometeu constituir até ao final do ano o Conselho Superior das Línguas em França que terá como missão melhorar a aprendizagem de línguas em França e o português será uma das línguas visadas.

 


O ministro francês da Educação, Jean-Michel Blanquer, visitou esta sexta-feira o espaço dedicado a Portugal no salão "Partir Etudier a l'Étranger", onde vários países tentam atrair os alunos franceses para estudarem nas suas universidades. 

No evento, Blanquer qualificou a língua portuguesa como "magnífica”, prometendo apoiar o seu desenvolvimento em França.

“A língua portuguesa é uma língua muito importante em todo o mundo (...) É importante também em França, não só porque há muito franceses de origem portuguesa, mas também porque temos muitas relações com Portugal e é uma língua magnífica, com uma literatura muito bonita, portanto apoiamos muito o desenvolvimento da língua portuguesa”, declarou o ministro em declarações à agência Lusa.

Portugal é o convidado de honra deste salão, tendo trazido nove politécnicos (Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Leiria, Portalegre, Porto, Setúbal, Viana do Castelo e Viseu) e sete universidades (Aveiro, Évora, Minho, Porto, Trás-os-Montes e Alto Douro, Universidade Europeia e Universidade Católica) até à capital francesa.

Para Blanquer a aprendizagem de línguas estrangeiras em França tem sido “uma preocupação constante”. O governante prometeu constituir, até ao final do ano, o Conselho Superior das Línguas em França que terá como objetivo “melhorar a aprendizagem de línguas em França” e o português será uma das línguas visadas.

“Temos um plano a longo prazo para constituir um Conselho Superior das Línguas e estamos atentos ao desenvolvimento de certas línguas em França e a língua portuguesa faz parte desses esforços”, garantiu.

Recorde-se que, em 2019, o Governo francês introduziu uma reforma que fez com que a língua portuguesa tivesse menor preponderância na nota final dos alunos do ensino secundário. Posto isso, um receio de um potencial decréscimo de alunos interessados em aprendê-la começou a fazer-te sentir. 

Então, Portugal mobilizou-se colecionando o apoio dos restantes embaixadores de países lusófonos acreditados em Paris e o tema foi mesmo assunto do jantar entre o primeiro-ministro português, António Costa, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, aquando da visita do chefe de Governo português a Paris, em maio de 2019.

Por sua vez, o Governo francês decidiu recuar nessa decisão e introduzir projetos-piloto em diferentes territórios onde há maior densidade de falantes de português como a Guiana francesa ou em Île-de-France, onde está a maior comunidade de emigrantes portugueses, fazendo com que a língua contasse para a média final.

 

Os comentários estão desactivados.