Mente (in)quieta

Procura-se Governo com G grande

Bem sei que muitos comentadores já se socorreram das diretas – primeiro, da sua realização, depois, do resultado - para vaticinar um mau resultado nas urnas. Falam de um partido dividido ao meio e incapaz de apresentar uma alternativa de governo. Mas quem assina tal presságio, ou o faz por má fé ou não conhece o partido. Nem a sua história. O PSD viveu um momento saudável de disputa interna, amplamente participado, que veio demonstrar o vigor do partido e o respeito pelo processo democrático.


Por Sofia Aureliano

1. Militantes e eleitores. Bem sei que muitos comentadores já se socorreram das diretas do PSD – primeiro, da sua realização, depois, do resultado - para vaticinar um mau resultado nas urnas. Falam de um partido dividido ao meio e incapaz de apresentar uma alternativa de governo. Mas quem assina tal presságio, ou o faz por má fé ou não conhece o partido. Nem a sua história. O PSD viveu um momento saudável de disputa interna, amplamente participado, que veio demonstrar o vigor do partido e o respeito pelo processo democrático.

Senão veja-se: achariam mais saudável que qualquer candidato à liderança do PSD vencesse com o dobro dos votos do adversário? Ou que uma só visão fosse a seleção natural de todos os militantes? A quem serviria essa homogeneidade? O PSD não é o Chega nem o Bloco. E não ambiciona ser. É, por isso, muito mais inspirador que o partido continue a ter vários aspirantes à liderança, de qualidade e com propostas realistas para o futuro do país. Quantos mais exemplos de talento, espírito de missão e ambição, melhor. Só revela que este é um partido vivo, plural e diferente dos demais. E cuja saúde se recomenda. Bom seria que os portugueses participassem nos atos eleitorais como os militantes do PSD participaram.

Disputadas as internas e definido o presidente do PSD, os militantes vão unir-se em redor do líder contra o inimigo comum e com o propósito único de ganhar o país. Que não haja dúvidas. E se alguém as tem, que atente nos discursos da noite eleitoral. O espírito é de ânimo renovado. A galvanização é evidente. Nem podia ser de outra maneira.

Ao contrário do que já ouvi dizer, não me parece que a vitória de Rui Rio seja o melhor resultado para António Costa. O próprio líder socialista, sagaz como é, terá certamente a consciência de que, neste momento, a maioria dos portugueses não considera que a sua reeleição serão favas contadas.

Com o processo interno do único partido que pode representar uma alternativa de poder, foi aberta a janela da possibilidade.  Encontra-se, agora, escancarada. E nem a pandemia e o consequente (e hipotético) impedimento de uma campanha física fará diminuir o élan.

2. Noção de tempo. Em política, dois meses é muito tempo. Muita coisa pode acontecer. E, no dia-a-dia dos portugueses, essa também é uma realidade nos tempos que correm. Fruto da incerteza que a pandemia nos obriga a viver, aprendemos a gerir a vida a prazo. Fazemos programas a dois meses e já nos sentimos no limbo. A nossa vida está, hoje, pesadamente carregada de “ses”. E não é nada que possamos evitar ou, sequer, controlar. Por isso, valorizamos muito as certezas e quem nos transmite segurança. Este é um trunfo que Rui Rio apresenta. É assertivo e consistente. Mesmo quando diz coisas que não queremos ouvir.

Já António Costa é inseguro. E calculista na gestão das medidas de combate à pandemia. Para além de teimar em não aprender com os erros. Mesmo quando custam vidas.

Recordam-se que, por esta altura, no ano passado, contra todos os conselhos da comunidade científica e apelos insistentes do PSD, o governo decidiu protelar a tomada de decisões, não encerrar as escolas e permitir os ajuntamentos da quadra? Os números avisavam que o pior estava para vir, mas o governo fez ouvidos moucos. Porque era preciso “Salvar o Natal”. Mesmo que isso implicasse bater recordes de mortalidade em janeiro de 2021. Como, infelizmente, se verificou.

Este ano, parece que estamos a ir por um caminho semelhante. E com a mesma cadência lenta e periclitante da decisão. Dá-se o alerta de que os números estão a subir e que será preciso fazer alguma coisa. Uma semana depois reúnem-se os especialistas para sustentar cientificamente uma posição do Governo. Entretanto, o executivo espera mais seis dias para anunciar medidas que só entrarão em vigor na semana seguinte. Ou seja, hoje, dia 1. Entre o alerta e a efetividade das primeiras medidas de maior restrição vão mais de quinze dias. Porquê tanto tempo de espera?

A nova variante do vírus já entrou em Portugal, embora pouco se saiba ainda sobre a sua transmissibilidade e sintomatologia. Dará, ao que os primeiros estudos indicam, sintomas mais leves, provavelmente é menos letal para as populações de risco, mas é muito contagiosa e altamente mutável. Diz a OMS que é urgente agir para conter a propagação. Mas, ao que parece, urgência não é o mote deste governo. Tampouco o é a prevenção.

Não faria mais sentido encerrar os bares e discotecas em dezembro, em vez de permitir a propagação e encerrar o país em janeiro? Bem sei que este setor tem sido amplamente prejudicado, mas nada garante que o tempo de encerramento, com a opção escolhida, seja mais reduzido. Se os números dispararem (como é previsível que aconteça), o período de contenção não se ficará pelos dez dias. O problema é que, nessa altura, o mal já estará feito. Os contágios já se deram, as hospitalizações irão aumentar, a pressão sobre o SNS disparará e nada terá sido feito para reduzir os gráficos. Depois de tantos meses de sacrifícios, não será mais importante “Salvar a Saúde” em vez do Natal?

3. Voltamos à problemática da participação. Após as eleições autárquicas e, perante a retumbante vitória da abstenção, falou-se momentaneamente da necessidade de refletir sobre a baixa participação cívica dos portugueses. Como se fala sempre após um ato eleitoral, mas tende-se a deixar cair o tema quando se torna oportuno falar sobre ele.

Estamos novamente na véspera de eleições, o que faz com que, mais uma vez, não seja conveniente falar de necessidade de incentivos ao voto, à participação eleitoral e dos benefícios de uma hipotética - e já amplamente estudada - reforma do sistema eleitoral. Do ponto de vista legislativo, nada se pode fazer. Do ponto de vista da opinião, é crucial que se faça alguma coisa.

Quem deve lançar o tema? Em boa verdade, a sociedade civil devia ser a mais interessada em participar na definição das políticas públicas e na escolha dos protagonistas que as implementarão. À semelhança do que acontece noutros países, a sociedade civil pode e deve ser a grande fomentadora de uma democracia representativa e participada.

Um bom exemplo de um contributo para aumentar os níveis de participação é o projeto democraciadigital.pt, agora na forja, que tem a louvável ambição de ser uma plataforma agregadora, onde todos terão uma voz e poderão debater sobre iniciativas legislativas, escrutinar a ação dos diferentes players políticos e instituições, lançar petições, propostas de ação ou acompanhar o desenvolvimento das políticas públicas em cada matéria. Este projeto, de autoria de Luís Vidigal, está já a ser desenvolvido pela Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação e espero que venha a ser materializado a curto prazo – e aqui registo a minha ausência de neutralidade, como membro da direção desta associação. Não invalida, contudo, que não assinale o grande mérito desta plataforma, as suas boas intenções e, acima de tudo, a sua premência. Deixo o convite para visitarem a plataforma e deixarem as vossas sugestões para a melhorar e desenvolver.  

Portugal tem um problema crónico e não serve de nada dizer que este é um tema transversal a todas as democracias. Entre os países da OCDE, a participação eleitoral média é de 68%. Há discrepâncias de género e de rendimento que se assemelham à tendência portuguesa – mulheres e pessoas com menos rendimento votam menos – mas, no geral, temos números de abstenção exponencialmente mais elevados.

Dizia Lincoln que “um boletim de voto tem mais força que um tiro de espingarda”.

Porque não carregamos as armas?

 

 

 

 

 

Os comentários estão desactivados.