Internacional

Exército russo pode invadir Ucrânia no início de 2022

Estados Unidos alertam que Rússia deslocou 175 mil soldados para a fronteira com a Ucrânia.


As forças de inteligência dos Estados Unidos alertaram que a Rússia pode estar a preparar uma ofensiva de larga escala contra a Ucrânia que envolve cerca de 175 mil soldados, que pode acontecer no início de 2022. 

Este aviso foi reportado pelo Washington Post e, segundo um oficial norte-americano, cerca de metade destas tropas já se encontram posicionadas perto da fronteira da Ucrânia com a Rússia, após semanas de exercícios de militares russos, que fizeram o Governo ucraniano temer uma nova invasão no seu território.

Como parte da sua preparação, a Rússia está a juntar um grande número de corpos das reservas do exército e está a mobilizar unidades médicas, combustível e mantimentos junto à fronteira, afirma a Forbes, citando, respetivamente, a Bloomberg e a CNN, acrescentando ainda que “as forças russas têm a capacidade para realizar uma invasão rápida e imediata”.

Os serviços de inteligência norte-americanos afirmam que a Rússia pode iniciar esta ofensiva no início de 2022 com 100 grupos de batalhões táticos, o dobro da escala que as forças russas tinham instaladas nesta região na última primavera.

“Não sei o que é que estas forças podem fazer, mas estou bastante preocupado com a sua postura e com o que tenho visto nas notícias”, disse o chefe de estado-maior do Exército norte-americano, James McConville, durante um painel no Reagan National Defense Forum, citado pela CNN. 

“Isto oferece muitas oportunidades aos russos e não tenho bem a certeza do que é que eles puderam fazer. Para mim, isto é terrível. Vai ter um impacto horrível na estabilidade e segurança dos nossos amigos europeus e isso é algo que me causa graves preocupações”, afirmou o general.  

“Continuamos a apoiar a redução da escalada do conflito nesta região e uma solução pacífica no Este da Ucrânia”, disse o tenente-coronel Tony Semelroth, o porta-voz do Pentágono, que se recusou entrar em mais detalhes sobre este conflito. 

Reunião entre líderes Perante este escalar da tensão entre os países do este da Europa, os Presidentes Joe Biden e Vladimir Putin concordaram em agendar uma videoconferência, que irá acontecer na terça-feira, onde serão discutidas as preocupações dos Estados Unidos sobre o aumento da presença militar russa junto à fronteira com a Ucrânia assim como a implementação de acordos assinados na cimeira de Genebra, a estabilidade estratégica, a questão cibernética e assuntos regionais.

Apesar de não ter revelado grandes detalhes, Biden revelou que ele e a sua administração estão a estudar um conjunto de medidas que tem como objetivo prevenir uma invasão à Ucrânia. Em cima da mesa está a possibilidade de aplicar novas sanções à Rússia em parceria com outros aliados europeus.

Já do lado russo, Putin continua a defender que não está a preparar uma invasão à Ucrânia, mas mantêm a tese de que os vizinhos estão a realizar um aumento das suas forças militares, defendendo que a Rússia tem o direito à autodefesa. 

Os comentários estão desactivados.