Sociedade

Ministro da Educação espera apenas pelo sinal positivo da DGS para avançar com vacinação em crianças

Mesmo com a 'luz verde' do regulador europeu quanto a administração da vacina contra a covid-19 em crianças dos cinco aos onze anos, a Direção-Geral da Saúde está a aguardar pelo parecer da comissão técnica de vacinação para saber se deve avançar ou não com a administração desta vacina. 


O ministro da Educação disse, esta segunda-feira, que tem tudo a postos caso a Direção-Geral da Saúde (DGS) aprove a vacinação das crianças a partir dos cinco anos. 

"O que desejamos é que a vacinação ocorra rapidamente e em grande extensão. É isso que eu espero que aconteça e é isso que eu tenho sentido das direções das escolas, dos professores e de quem representa os pais e os encarregados de educação", afirmou Tiago Brandão Rodrigues à margem de uma visita à Escola Básica Dr. Manuel da Costa Brandão, em Arcos de Valdevez, Viana do Castelo. 

Interrogado sobre a possível recomendação da vacina contra a covid-19 para as crianças entre os cinco e os onze anos, o governante indicou que "são mais de 600 mil crianças", ao garantir que se a DGS der carta branca para a vacinação, tudo vai estar preparado para "fazê-lo o mais rapidamente possível". 

Recorde-se que, no dia 25 de novembro, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) aprovou a inoculação da vacina contra a covid-19 da BioNTech/Pfizer em crianças dos cinco aos onze anos, sendo a primeira farmacêutica a entrar no mercado da União Europeia (UE) com uma vacina para esta faixa etária.

Mesmo com a 'luz verde' da EMA, a DGS está a aguardar pelo parecer da comissão técnica de vacinação para saber se deve avançar ou não com a administração desta vacina. 

De acordo com o primeiro-ministro, se a recomendação se vier a confirmar, Portugal vai receber essas vacinas a partir de 20 de dezembro, num momento em que o ministro da Educação espera avançar e rapidamente com o processo de vacinação, merecendo também a mesma adesão como aconteceu nas restantes faixas etárias mais velhas. 

"Temos números muito invejáveis relativamente a vacinação. A mesma coisa acontece entre os 12 e 17 anos, temos mais de 90% de vacinação e espero que o mesmo aconteça entre os 5 e os 11 anos", apontou Tiago Brandão Rodrigues. 

Para o governante, a vacinação desta faixa etária é importante para reforçar a segurança nas escolas. Para tal, Brandão Rodrigues indicou que seria vantajoso para o arranque do segundo período escolar, que começa no dia 10 de janeiro, se um significativo número de crianças abrangidas estivesse já vacinado para o recomeço das aulas. 

Os comentários estão desactivados.