Opiniao

Os grosseiros lucros da Big Pharma


Por Roberto Knight Cavaleiro

Durante as últimas três décadas, a indústria farmacêutica mudou o seu caráter de ser composto de muitas empresas independentes, competitivas e éticas para um conglomerado de negócios que é quase inteiramente propriedade de investidores institucionais norte-americanos. Private equity e fundos de hedge de vários triliões de dólares, como o Black Rock, Vanguard e SSGA são agora os acionistas controladores da Pfizer, Merck, Johnson & Johnson, Bayer e Novartis, que antes eram rivais, mas cuja política é agora ordenada por administrações que têm acionistas em comum. Isso não é ilegal, mas é antiético porque parte da receita que antes era aplicada em pesquisa e em laboratórios mais bem equipados agora é desviada para os lucros da mesma elite investidora ou usada para inflacionar balanços para garantir grandes empréstimos que resultam no medicamento mais caro para os consumidores. Com efeito, as empresas individuais da Big Pharma, muitas com avaliações de bilhões de dólares, tornaram-se máquinas de fazer dinheiro para a elite de triliões de dólares. Eles não estão mais preocupados com a necessidade primária de fornecer assistência médica (com um lucro justo) para a humanidade.

A ganância de algumas pessoas ricas e sem escrúpulos leva a uma cadeia de práticas corruptas que vão desde o lobby até a fixação de preços e o suborno de funcionários públicos. Uma parede de sigilo envolve os contratos assinados pelos governos, sendo excluídas muitas das cláusulas padrão que preveem a arbitragem em caso de disputa. Como é possível para um punhado de empresas farmacêuticas ditar termos a alguns dos governos mais poderosos do mundo? A resposta é que os proprietários elitistas costumam ser mais bem financiados do que os ministros com quem lidam.

A indústria farmacêutica precisa urgentemente de regulamentação para o bem público; mas quem será corajoso o suficiente para aplicá-la?

 

Roberto Cavaleiro                                      

Tomar, 07-12-2021

 

Os comentários estão desactivados.