Sociedade

Internamentos e mortes por covid-19 descem, mas RT e incidência sobem

O número de internados voltou a descer, tal como o número de óbitos, que esteve durante vários dias acima das duas dezenas. Já os valores da incidência e do rácio de transmissibilidade (RT) subiram.


Portugal registou, nas últimas 24 horas, 5.286 casos do novo coronavírus e 15 óbitos, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), divulgado esta quarta-feira. O número de internados voltou a descer, tal como o número de óbitos, que esteve durante vários dias acima das duas dezenas. Já os valores da incidência e do rácio de transmissibilidade (RT) subiram.

O maior número de novos casos concentra-se em Lisboa e Vale do Tejo – 1.796, mais 196 do que os 1.600 registados no Norte. Segue-se o Centro com 1.315, o Algarve com 338 e o Alentejo com 122. No arquipélago da Madeira há 81 novas infeções e no dos Açores 34.

Das 15 vítimas mortais, cinco ocorrem no Centro, quatro em Lisboa e Vale do Tejo, três no Algarve, duas no Norte e uma no Alentejo.

Os valores da incidência e do rácio de transmissibilidade (RT) foram atualizados esta quarta-feira. Segundo o boletim da DGS, em Portugal o valor da incidência é de 438,4 casos e de 442,1 quando analisado apenas o continente. De realçar que estes valores eram de 410,4 e 413,9, respetivamente, na atualização de segunda-feira.

Já o RT é de 1,11 em todo o território nacional, sendo que na véspera era de 1,10 a nível nacional e de 1,11 no continente.

O número de internados voltou a descer. Há agora 917 pessoas com sintomas da covid-19 internadas nos hospitais portugueses, menos 19 do que ontem. Já no que diz respeito a doentes graves, regista-se um aumento: há 138 pessoas em UCI, mais cinco do que na véspera.

Portugal registou, desde o início da pandemia, 1.177.706 casos de SARS-CoV-2, 62.834 dos quais permanecem ativos – mais 2.250 – e 18.587 não resistiram. Nas últimas 24 horas, 3.021 pessoas recuperaram da doença, elevando o total para 1.096.285. Atualmente, as autoridades de saúde têm 82.077 contactos em vigilância, mais 2.539.

Consulte aqui o boletim na íntegra.

Os comentários estão desactivados.