Opiniao

Alianças e ruturas anglo-portuguesas - Parte 6

Em 1902, o Rei Eduardo VII de Inglaterra fez uma visita de estado a Lisboa. Reafirmou as antigas Alianças e acordou com os assessores (o partido Regenerador) do rei D. Carlos I uma reestruturação da dívida portuguesa aos obrigacionistas estrangeiros a uma taxa fixa de 3%.


Por Roberto Knight Cavaleiro

Parte 6: Século XX

Em 1902, o Rei Eduardo VII de Inglaterra fez uma visita de estado a Lisboa. Reafirmou as antigas Alianças e acordou com os assessores (o partido Regenerador) do rei D. Carlos I uma reestruturação da dívida portuguesa aos obrigacionistas estrangeiros a uma taxa fixa de 3%.

Pôs-se assim termo a uma precária crise financeira que Portugal padecia á uma década, durante a qual D. Carlos e o seu Ministro das Finanças fizeram várias visitas a Londres, Paris e á Alemanha para obter empréstimos. Em 1898, o governo esforçou-se para levantar £ 8.000.000 para saldar as suas dívidas, mas os alemães tentaram usar isso como uma alavanca política para assumir o controlo das possessões coloniais portuguesas e trocá-las (e os seus direitos aduaneiros) com a Grã-Bretanha por territórios na região do Zambeze. Salisbury, o primeiro-ministro britânico, não quis saber disso e ofereceu-se para apoiar financeiramente Portugal em troca de garantias ao abrigo dos antigos Tratados de acesso exclusivo a Angola e Moçambique.

A recepção política para a reafirmação da Aliança foi variada com a oposição dos republicanos e monarquistas e em 1906 Dom Carlos ofereceu o poder absoluto a João Franco cuja gestão ditatorial do país durou até 01 de fevereiro de 1908 quando o rei e o seu herdeiro, o príncipe Luís Filipe foram assassinados em Lisboa por membros de uma sociedade secreta. O trono passou para o despreparado Dom Manuel cujo breve reinado foi sujeito a crescente agitação que culminou no dia 04 de outubro de 2010 com o bombardeamento do palácio real por navios de guerra rebeldes e a abdicação de Manuel I que fugiu no iate Dona Amelia para se refugiar em Twickenham, Inglaterra onde ele morreu em 1932.

Os Governos republicanos provisórios, constitucionais e “democráticos” seguiram-se para consternação do Kaiser, mas aceitáveis ​​para os governantes franceses e britânicos que estabeleceram relações diplomáticas e renovaram empréstimos que encorajaram Portugal a entrar na Primeira Guerra Mundial em março de 1916 ao lado dos aliados. Isso foi feito sem invocar as Alianças com a Grã-Bretanha. Mais de trinta navios alemães foram arrestados e uma força militar de duas divisões foi enviada em janeiro de 1917 para se juntar à carnificina na frente ocidental.

Em seguida, uma nova República foi estabelecida por Sidónio Pais até março de 1919, quando os democratas recuperaram o poder e a república entrou num período de instabilidade de sete anos durante o qual vários ministros foram assassinados, a inflação disparou e o Banco de Portugal foi forçado a imprimir dinheiro e pagar um taxa de 13% para empréstimos.

Esta situação foi ampliada pela ação de bandidos que roubaram papel-moeda e enganaram a Waterlows de Londres a imprimir meio milhão de notas de alto valor que circularam através do Banco de Angola e Metrópole. O escândalo levou a uma tomada militar com o General Carmona atuando como presidente de 1926 a 1951.

O Estado Novo constatou que as dívidas da República eram cinco vezes maiores do que as declaradas pela administração anterior. Mesmo depois de Winston Churchill reduzir a dívida da Segunda Guerra Mundial para £23 milhões, ainda era um fardo intolerável para pagar no curto prazo. A Liga das Nações foi solicitada a emprestar 12 milhões de libras, mas só o faria nos termos infames oferecidos aos países derrotados.

Nesta terrível situação entrou um economista desconhecido, Dr. António de Oliveira Salazar, que aceitou o cargo de Ministro das Finanças na condição de ter total controlo sobre todas as despesas do Estado. Ele introduziu um programa rígido de reforma fiscal que encorajou as exportações e acabou por reduzir a dívida externa a um superávit e permitiu a Portugal enfrentar a crise financeira dos anos 30 em melhor condição do que outros países europeus.

Salazar tornou-se primeiro-ministro no final de 1932 e introduziu uma nova constituição que lhe deu poderes ditatoriais de uma administração que proibia greves e lockouts. Embora fosse um conservador nacionalista, ele era crítico tanto dos regimes fascistas na Alemanha e Itália quanto do comunismo da URSS. Consequentemente, quando as nuvens da Segunda Guerra Mundial começaram a aparecer, ele declarou que Portugal permaneceria neutro, o que se adequava bem ao plano britânico de impedir a Espanha de entrar como aliada das potências do Eixo.

Mas isso foi posto à prova pela existência em Portugal das maiores reservas de volfrâmio da Europa; que era um minério de tungstênio constituído de ferro e manganês e essencial para a fabricação de equipamentos militares blindados. Dentro de um mês de 1941, os agentes de Hitler em Portugal monopolizaram o mercado, forçando o preço a subir de £2.500 para £6.000 a tonelada, pelo qual pagaram em barras de ouro estampadas com a suástica. Estas continuam a fazer parte das reservas detidas pelo Banco de Portugal.

À medida que a guerra avançava, o nazismo foi amplamente condenado pelo povo português devido aos ataques de submarinos contra navios mercantes neutros e então não houve dificuldade em junho de 1943, quando a Grã-Bretanha invocou o Tratado assinado em 1373, solicitando o uso dos Açores como uma base trânsito para as forças aliadas. Falando na Câmara dos Comuns, Winston fez um discurso Churchilliano no qual relatou a importância histórica: “Não suponho que tal continuidade das relações entre duas Potências tenha sido, ou será, estabelecida no dia-a-dia ordinário do trabalho diurno da diplomacia britânica”.

Trinta anos depois, na época da guerra das Malvinas, a  “relação especial” foi novamente ativada. Isso apesar da recepção dada ao Dr. Marcello Caetano, sucessor de Salazar, que quando foi a Londres em julho de 1973 para a celebração do 600º Aniversário do Tratado foi recebido por críticas ferozes na imprensa britânica por supostos atos de repressão nas colonias africanas

Desde 1973, as alianças têm sido frequentemente relembradas por políticos de ambos os países, mas nunca mais foram invocadas para fins militares ou comerciais.

Portugal foi membro fundador da EFTA e da CEE, o que trouxe uma coesão construtiva com os antigos inimigos e amigos europeus. Que por muito tempo assim seja, apesar da aberração indesejável do Brexit.

Conclusão. Com isto termina a série sobre Alianças e Rupturas Anglo-Portuguesas. Agradeço os muitos comentários amáveis que recebi e dos historiadores portugueses que ajudaram na minha investigação e me ensinaram algumas verdades que eu desconhecia. Peço desculpas pelo erro tolo na Parte 4, onde dei a data do casamento de Catarina de Bragança com o rei Carlos II como sendo 1642 em vez de 1662. Isso se devia à crescente falta de coordenação entre um dedo artrítico e o envelhecimento do cérebro.

Imagem 1 - Jantar entre o Duque de Lancaster com Rei de Portugal 

Imagem 2 - Junção das bandeiras de Portugal e do Reino Unido 

Imagem 3 - Cartoon

Os comentários estão desactivados.