Politica

O Congresso de Rio sem muitas ondas

Rui Rio vai ao Congresso ‘repetir o onze’ que lhe deu a vitórias na diretas. Da direção sai Morais Sarmento, que concorre ao CNJ. Há 8 listas ao CN, três das quais afetas ao líder.

 


Rui Rio vai a jogo na Feira com os mesmos homens de sempre. Em fim de semana de Congresso - que começou ontem à noite e termina amanhã -, o PSD reelegerá praticamente a mesma Comissão Política Nacional (CPN): além de Nuno Morais Sarmento, que concorrerá ao Conselho Nacional de Jurisdição, não se esperam grandes mudanças na direção do partido. O líder reeleito quis manter as águas calmas e fomentar a unidade, estabilizando a equipa que conduziu à vitória nas diretas internas de novembro.

Tendo vencido em ‘casa’, Rio quer, agora, a vitória na rua: nas legislativas - e eis outro motivo que o terá levado a não mexer muito na sua Comissão Política. Além do líder do PSD querer recompensar quem o acompanhou - reconduzindo-os -, acredita que, dada a proximidade das eleições, não deverá perder mais tempo com a gestão de sensibilidades internas. Sendo atípico um Congresso em véspera de eleições, espera-se que um líder esteja mais preocupado com estas do que com a recomposição dos órgãos do partido. Até porque o tempo escasseia e não dá para tudo. E Rio, sabendo que se aproxima uma maratona de debates, programas e campanha eleitoral, optou por se concentrar nestes últimos.

Quanto à CPN, nomes como Salvador Malheiro, André Coelho Lima, Isabel Meireles, Isaura Morais ou David Justino vão manter-se como vice-presidentes. Nuno Morais Sarmento - que nas diretas optou pela neutralidade - sairá da direção e representará, contra Paulo Colaço, a ala rioista na corrida ao Conselho Nacional de Jurisdição (CNJ). Uma disputa que deverá ditar uma derrota para Sarmento, já que o atual presidente do CNJ, apesar de ter entrado em rota de colisão com Rio, é claramente favorito. Ou seja, no final das contas, Rio deixa cair Morais Sarmento, o vice-presidente que o abandonou num momento crítico da peleja interna.

Relativamente ao Conselho Nacional, espécie de Parlamento interno e órgão máximo entre Congressos, são oito as listas concorrentes. A lista de Rio será encabeçada pelo histórico Pedro Roseta, sendo que haverá ainda listas de Pedro Calado (que representa a ala montenegrista), Miguel Pinto Luz, Carlos Eduardo Reis, Lina Lopes, Catarina Rocha Ferreira, Duarte Marques e Joaquim Biancard da Cruz, além da dos Trabalhadores Sociais Democratas. Para a mesa do Congresso Rio volta a apostar em Paulo Mota Pinto. Apesar do falatório quanto à possibilidade de Matos Rosa e outros nomes avançarem a este órgão, Mota Pinto deverá vencer sem contestação. Ao que o Nascer do SOL apurou, Matos Rosa, antigo secretário-geral do partido, desistiu quando percebeu que não tinha quaisquer hipóteses de vitória.

José Silvano manter-se-á como secretário-geral do partido e Rui Morais, economista, vice-presidente do PSD de Braga e presidente da empresa intermunicipal Braval, será o candidato de Rio à presidência da Comissão Nacional de Auditoria Financeira.

A máquina rangelista ‘pifou’

Se houve momento em que ficou provada a importância do Conselho Nacional foi na recente disputa entre Rangel e Rio. Rangel, embora não fosse líder, conseguiu reunir maioria no Conselho Nacional e fazer valer as suas vontades. A história acabou por não jogar a seu favor. Todavia, um ponto ficou provado: ter o controlo do Conselho Nacional - poder puxar datas para cima ou para baixo, entre outras coisas - pode influenciar as contas finais.

Rio sabe da importância deste órgão e por isso decidiu convidar um ‘peso-pesado’ na história do partido: Pedro Roseta - ministro da Cultura do XV Governo Constitucional, presidente do Grupo Parlamentar do PSD durante o Governo da Aliança Democrática e deputado na Assembleia Constituinte e nas I, II, V a IX Legislaturas. 

Também Pedro Calado, presidente da Câmara do Funchal, está ciente da importância do órgão e, por isso, decidiu encabeçar uma lista. Que conta com o apadrinhamento de Luís Montenegro - primeiro subscritor - e, consequentemente, com todos aqueles sociais-democratas que lhe são afetos: Pedro Alves (líder da distrital de Viseu), João Granja (Braga), Rui Rocha (distrital de Leiria), Sérgio Humberto (presidente da Câmara da Trofa), Rui Ventura (vice-presidente da distrital da Guarda), Rodrigo Gonçalves (vice-presidente da distrital de Lisboa) e Paulo Cavaleiro (Aveiro). Uma lista que integra vários apoiantes de Paulo Rangel. Isto porque o antigo candidato a líder, apesar de presente em Santa Maria da Feira, rejeitou colaborar ou «contribuir para a criação de listas alternativas». 

Nem todos os rangelistas se abrigarão sob o guarda-chuva montenegrista.

Miguel Pinto Luz, que se candidatou ao partido contra Rio e Montenegro em janeiro de 2020 e só não se candidatou em 2021 porque fundiu a sua candidatura com a de Paulo Rangel - tornando-se seu número dois -, também irá apresentar uma lista ao Conselho Nacional, de forma a fazer honra à «diversidade que é o PSD». Em entrevista à TSF, Pinto Luz defendeu ser «saudável» que o Conselho Nacional seja disputado por «várias listas e vários protagonistas que possam, de alguma forma, espelhar essa diversidade que é o PSD». 

Carlos Reis volta a concorrer e reforça correntes de Rio

Carlos Eduardo Reis, figura em grande ascensão no rioismo, irá, também, apresentar uma lista ao Conselho Nacional.

Reis já tem por hábito fazê-lo, tendo, inclusive, em 2019, tido um papel crucial ao juntar os votos dos seus conselheiros aos dos apoiantes de Rui Rio, contra o que na altura se chamou de tentativa de golpe palaciano de Luís Montenegro.

Agora, e dada esta sua ascensão no partido, chegou a ser aventada a hipótese de o barcelense ser ‘promovido’ à direção de Rui Rio. O Nascer do SOL apurou que tal não acontecerá. Estrategicamente, acertando com o líder a ida para o Conselho Nacional, Reis continuará a ter uma posição determinante e influente no aparelho partidário de suporte a Rui Rio.

A mesma leitura poderá ser igualmente feita para as listas encabeçadas por Lina Lopes ou por Catarina Rocha Ferreira - a primeira sexta nas listas por Lisboa e a segunda quarta nas listas pelo Porto.

Nota ainda para a lista apresentada por Duarte Marques e Joaquim Biancard da Cruz e para a dos Trabalhadores Sociais Democratas. No Congresso passado apresentaram-se dez listas concorrentes ao Conselho Nacional. Neste serão oito. 

Ex-líderes primam pela ausência 

Um dos factos mais relevantes em vésperas de eleições legislativas é que os ex-líderes do partido primam pela ausência deste Congresso. Com efeito, Pedro Passos Coelho, Manuela Ferreira Leite, Luís Filipe Menezes ou Luís Marques Mendes não irão estar na reunião dos sociais-democratas que entronizará Rui Rio como candidato a primeiro-ministro.

E no lote de ‘notáveis’ ausentes neste Congresso chegou a integrar o nome do novo presidente da Câmara de Lisboa. Mas, afinal, Carlos Moedas, que almoçou com Rangel nas vésperas das diretas, vai mesmo estar com Rio na Feira.

Os comentários estão desactivados.