Politica

Paulo Rangel diz que PSD "tem todas as condições" para vencer eleições legislativas

À entrada para o segundo dia do 39.º Congresso, o eurodeputado Paulo Rangel está com "imensa confiança" para que o PSD ganhe as eleições legislativas, ao considerar que o partido tem "todas as condições" para derrubar o partido de António Costa. Já o presidente da Câmara de Lisboa disse que "as pessoas estão cansadas" e apontou que, para tal mudança, o PSD será o partido mais indicado para isso.


As grandes figuras do PSD já estão a chegar ao Europarque, em Santa Maria da Feira, para o segundo dia do 39.º Congresso do partido social-democrata. O eurodeputado Paulo Rangel está com "imensa confiança" para que o PSD ganhe as eleições legislativas, ao considerar que o partido tem "todas as condições" para derrubar o partido de António Costa. Já o presidente da Câmara de Lisboa disse que "as pessoas estão cansadas" e apontou que, para tal mudança, o PSD será o partido mais indicado para isso.

"Se os portugueses perceberem que o PSD é uma alternativa ao PS, ganhamos as eleições", assinalou Paulo Rangel, quando abordado pelos jornalistas à entrada da congresso. Para o candidato derrotado nas eleições internas, o PSD tem "todas as condições para ganhar as eleições, tenho imensa confiança nisso".

​“Qualquer partido de convocação maioritária tem de aspirar o melhor resultado possível. Temos de lutar pelo melhor resultado possível e o primeiro objetivo é ganhar as eleições. Quanto mais confortável for essa vitória, melhor”, frisou o eurodeputado.

Rangel reafirmou que não liderar qualquer lista no congresso e que vai estar presente "como militante de base", escusando-se a responder a mais interrogações dos jornalistas, remetendo para a sua intervenção na reunião magna do partido. 

Já Carlos Moedas, presidente da Câmara de Lisboa, entrou no Europarque a dizer que “o que fez a diferença em Lisboa foi a união do partido”, aludindo à sua vitória nas eleições autárquicas em setembro. 

Moedas disse também que quis estar presente para “dar um grande abraço a Rui Rio e também a Paulo Rangel”, insistindo na necessidade de união e dizendo que ”as pessoas estão cansadas, há uma certa asfixia de cansaço e vamos ter de mudar”.

 

No entanto, a visita de Carlos Moedas terá direito a intervenção no congresso, mas será curta. Ainda esta tarde terá de voltar a Lisboa por "razões de agenda". 

Os comentários estão desactivados.