Brasil Presente

Economistas na política

Nas antessala das eleições, o destaque é quem é o economista de quem. Moro parece ter feito a melhor escolha

Economistas na política

Por Aristóteles Drummond

Os humores do eleitorado, parece que em que todo o mundo que pratica a democracia clássica, passaram a reagir pragmaticamente, buscando melhorias reais na qualidade de vida das sociedades, na proteção e no emprego, em detrimento dos discursos académicos, especialmente marxistas. Assim é que, nesta antessala das eleições presidenciais no Brasil, o destaque é quem é o economista de quem.

O governador de São Paulo já elegeu o seu secretário de Finanças, Henrique Meirelles, que foi candidato a presidente, tendo sido deputado pelo partido de FHC, mas nem chegou a tomar posse, pois aceitou ser o presidente do Banco Central com Lula. Tem credibilidade e fez carreira no Banco de Boston, do qual foi presidente mundial.

O Presidente Bolsonaro continua com Paulo Guedes, economista que foi referência no liberalismo, discípulo de Roberto Campos, mas que se deixou encantar por estar no Governo e já não é tão liberal assim. Esta postura lhe custou a retirada da maioria de sua equipe, inicialmente uma seleção de bons quadros. Não é popular com os políticos e dececionou os empresários. O ex-governador do Ceará e ex-ministro Ciro Gomes, que vai disputar pela terceira vez, é seu próprio economista e tem ideias próprias.

O ex-juiz Sergio Moro, que se aproxima de ser mesmo a terceira via, parece ao empresariado ter feito a melhor escolha. Trata-se do veterano Afonso Celso Pastore, com belo currículo e conceito liberal. Pastore teria sido, em 1989, o ministro da Economia de Paulo Maluf, caso o político paulista tivesse sido eleito. Maluf, com 91 anos, é empresário e foi presidente da Associação Comercial de São Paulo.

O povo quer emprego, qualidade na prestação de serviços na saúde e na educação, quer menos impostos e paz social. Sinal de que a demagogia não frutifica tanto mais.
 
Variedades

- Bahia, Minas e Rio sofreram fortes chuvas esta semana. Chuvas torrenciais de verão, com vítimas. No Rio, árvores derrubadas afetaram o fornecimento de energia em bairros nobres.

- A privatização da empresa de águas e saneamento no Rio, a Cedae, faz ressurgir o projeto de despoluição da Baía de Guanabara, prometido há décadas. O Japão chegou a financiar uma estação de tratamento de última geração, que consumiu todo o dinheiro para resolver o problema. O prazo agora é de 12 anos.

- A esquerda pautando temas relevantes como equidade de gênero, cotas para mulheres e negros nos conselhos e diretoria de empresas, auxílio emergencial maior. Ficou 14 anos no poder e nada fez. Nem uma proposta para gerar emprego e renda, tecnologia, produtividade. Não vai sobrar nada para a maioria... Todos concordam em ser contra discriminação e gerar mecanismos de proteção, mas gerar privilégios é outra coisa. 

- A consagrada campeã olímpica de vôlei Feminino Ana Paula Henkel lidera movimento para impedir trans de jogarem em equipes femininas. Alega que, sendo biologicamente superiores, desequilibra os jogos. Sugere um campeonato masculino, um feminino e outro trans. Faz sentido.

- Semana corrida para aprovações no Congresso. O Brasil para do Natal ao Carnaval. Mesmo sem Carnaval oficial. Aquece na quaresma e decola depois da Páscoa.

- Rumores de que os postulantes à terceira via possam se unir ao que estiver na frente, segundo as sondagens feitas em final de maio.

- Consternação na comunidade brasileira ligada a Portugal com a morte da escritora Leonor Xavier, que aqui viveu depois do 25 de Abril com o marido, Alberto Xavier. Mas não era contra o movimento, veio como mulher e mãe.

Os comentários estão desactivados.