Cultura

Obra de Goya não consegue ser vendida no leilão da casa Ansorena

A obra foi revelada pela primeira vez em 1922 na “Exposição de Desenhos Originais  1750 a 1860” realizada no Palácio de Sástago na cidade de Zaragoza. 


O quadro intitulado “Dezasseis cabeças de cartoon e Autorretrato de Goya” não encontrou comprador no leilão que a casa Ansorena realizou na quinta-feira, dia 16 de dezembro, com um preço inicial de 800 mil euros. 

Esta é uma monografia pintada com caneta sépia e lápis preto sobre papel vergado (30 x 41 centímetros) que faz parte de um acervo particular. 

Acredita-se que esta foi provavelmente cedida ou vendida por Francisco de Goya a Mariana Wallenstein (ou Marie-Anne de Waldstein), esposa do Marquês de Santa Cruz, José de Silva y Bazán. Após a morte da marquesa, foi entregue como herança à condessa consorte de Scláfani.

Posteriormente, foi dada ou adquirida por Fernando Sánchez de Toca y Muñoz , II Duque de Visa-Alegre e II Marquês de Somio. Depois de ter passado por essas “mãos”, Antonio Moreno Martín comprou-a em 1963, bem como o resto da sua coleção de desenhos, gravuras e biblioteca.

O desenho das dezesseis cabeças de caricatura foi revelado pela primeira vez em 1922 na “Exposição de Desenhos Originais 1750 a 1860”, realizada no Palácio de Sástago em Saragoça. 

Feitos em papel de filigrana e divididos em duas metades, grande parte dos rostos cartoonizados que Goya desenhou são masculinos, “buscando captar os personagens que compareceram a um encontro, com tom humorístico, mas ao mesmo tempo com um senso crítico sobre suas personalidades”.

Os comentários estão desactivados.