Opiniao

Música Portuguesa para o Dia de Natal


Por Roberto Knight Cavaleiro

Se é intolerante com renas de nariz vermelho e sinos que tilintam em vez de repicar, experimente ouvir de manhã a altiva majestade das Matinas do Natal de Marcos Portugal. A obra foi apresentada pela primeira vez na véspera do Natal na Capela Real do Rio de Janeiro no ano de 1811. O compositor tinha chegado a mando do exilado Príncipe Regente (posteriormente rei João VI) para se tornar o Mestre da Real Música de Câmara . Marco Portogallo (para usar o seu nome internacionalmente conhecido) nasceu em Lisboa, onde treze das suas óperas foram apresentadas no teatro real de São Carlos e obras dramaticamente religiosas na Santa Igreja Patriarcal, onde fora nomeado organista. A sua música secular foi influenciada pelas suas longas estadias em Itália, onde as suas óperas cómicas eram particularmente populares e executadas em francês, russo e alemão.

Os Matinais podem ser um rearranjo de várias composições que ele escreveu em 1806 para serem executadas na grande basílica de Mafra, onde o príncipe regente costumava residir no palácio real adjacente e cuja família compartilhava o seu interesse pela música sacra necessária para festividades reais, ocasiões de Estado e, claro, adoração. O que Marcos Portugal conseguiu foi uma combinação maravilhosa de santidade com a alegre celebração do nascimento do menino Jesus. A obra consiste em oito responsórios e um Te Deum final e dura cerca de noventa minutos com muita variação de tempo e introdução de ritmos de dança folclórica e interação entre solistas, coro e uma orquestra sem violinos. Foi gravado pelo Ensemble Turicum em dois CDs (209.108 Paraty).

Para uma tarde de sossego sazonal e boa vontade, desfrute das quatro Canções de Natal de Fernando Lopes-Graça que integram uma gravação Naxos (cat. Nº 8.579039). Ele foi indiscutivelmente o maior dos compositores portugueses do século XX e a sua pesquisa assídua de canções e danças tradicionais permitiu-lhe escrever duas cantatas de natal em 1950 e 1961, que totalizam trinta e quatro canções, cobrindo os doze dias de Natal até a celebração dos três reis.

Nº 1 Ó meu menino Jesus                Nº 2 Vinde Pastores

Nº 3 Estando a Virgem                     Nº 4 Ó menino tâo lindo

À noite, ouça à luz de velas o mistério e o fascínio dos cantos dos Cavaleiros Templários do século XII, gravados pelo Ensemble Organum (CD: HMO 8905302) após a redescoberta de um antigo manuscrito no Chateau de Chantilly. Sem dúvida, o Ofício das Matinas do Natal teria sido cantado não só no Santo Sepulcro de Jerusalém, mas no seu magnífico reduto que existia dentro do Convento de Tomar.