Sociedade

Centro Social vai encerrar lar e direção pede a familiares de utentes que os vão buscar até sexta-feira

O pedido foi feito aos familiares dos 15 utentes da instituição de Salgueiro do Campo, em Castelo Branco, através de uma carta.

Centro Social vai encerrar lar e direção pede a familiares de utentes que os vão buscar até sexta-feira

DR  


O Centro Social do Salgueiro do Campo, freguesia do município de Castelo Branco, vai encerrar o Lar de Idosos e a direção da instituição já endereçou uma carta aos familiares dos 15 utentes, pedindo aos mesmos que vão buscar os idosos até ao dia 31 de dezembro, ou seja, a próxima sexta-feira. No texto, cujo assunto é "Pedido de recolha ou recolocação do seu familiar noutra instituição", a que o Nascer do SOL teve acesso, é possível ler: "Como julgamos será do conhecimento de V. Ex.ª o Centro Distrital de Segurança Social de Castelo Branco proibiu, já há algum tempo, à nossa instituição a admissão de novos utentes na valência do lar, o que tem conduzido à significativa redução dos apoios recebidos, nossa principal forma de subsistência".

"Depois de termos feito tudo ao nosso alcance para que a referida decisão fosse revertida, quer junto da Segurança Social, quer da própria Câmara Municipal, não houve abertura para a resolução do problema, nem nos foi dada qualquer alternativa, isto apesar de ambas as instituições terem ficado perfeitamente cientes que o resultado inevitável seria o encerramento do Centro", foi escrito de seguida, sendo importante referir que, no final de janeiro deste ano, o jornal regional Reconquista noticiou que "o lar do concelho de Castelo Branco onde ocorreu um surto de covid-19 no final de novembro [de 2020], que provocou cinco mortos, não se encontra licenciado, situação confirmada ao Reconquista pelo Instituto da Segurança Social, que acionou um processo de contraordenação que ainda decorre". Na missiva, constata-se que "a situação [do encerramento] foi entretanto também reportada aos sócios na assembleia-geral, tendo a atual direção inclusive procedido à marcação de eleições para os órgãos sociais". Contudo, até ao momento, não foi apresentada qualquer candidatura.

"Esgotadas todas as hipóteses de resolução do impasse, não possuindo a instituição recursos financeiros ou humanos para poder continuar a desempenhar a sua função, apesar de o lamentarmos profundamente, vemo-nos obrigados a encerrar definitivamente a nossa atividade social, facto de que vimos notificar V. Ex.ª, agradecendo-lhe o facto de vir buscar o seu familiar à instituição ou proceder ao seu reencaminhamento para outra resposta social até ao próximo dia 31 de dezembro", foi esclarecido, tendo sido explicitado que, a partir desta data, a instituição deixará de "ter condições para assegurar qualquer tipo de apoio ou ajuda em virtude de se ver também obrigada a rescindir todos os contratos de trabalho e a encerrar portas".

A Beira Baixa TV, na sua página oficial do Facebook, divulgou que "alguns familiares foram apanhados de surpresa e transmitiram a dificuladde em conseguirem realojamento dos idosos, após contactos com Lares da região". A título de exemplo, partilharam alguns desabafos de familiares de utentes: "Fui hoje informada que, devido à demissão em bloco da direção do Centro Social, foi-nos pedido para ir buscar os familiares até dia 31 de dezembro, na próxima sexta-feira, pois o Centro vai fechar. A informação prévia foi a de que, caso o Centro Social encerrasse, a Segurança Social recolocaria os utentes, pois a mesma estaria a acompanhar o caso, desde que foi noticiado que o Centro Social seria um lar ilegal, facto que desconhecia quando coloquei o meu pai na Instituição", foi escrito ao órgão de informação anteriormente referido por um familiar. "Lamentavelmente e aparentemente não foi isso que aconteceu e, agora, tenho quatro dias para encontrar solução para o meu pai. Não existe uma única vaga nas dezenas e dezenas de instituições que já contactei. Como devem calcular fui apanhada de surpresa e estando a morar em Lisboa e sem condições para receber o meu pai, torna-se uma situação extremamente urgente. Acredito que para os outros familiares dos utentes será o mesmo".

É de lembrar que, a 24 de maio, o Observador noticiava que "só em 2020 e nos quatro primeiros meses deste ano foram identificados 917 lares sem condições ou licenciamento, são mais 129 do que os que estavam sinalizados no final do ano passado".

Os comentários estão desactivados.