Internacional

Mais mulheres no exército ucraniano para "resistir" à Rússia

Face à ameaça de um novo confronto militar com a Rússia, a Ucrânia vai permitir a entrada de mais mulheres nas Forças Armadas.


Na iminência de um novo conflito militar com a Rússia, o exército ucraniano está a expandir as pessoas elegíveis para o serviço militar, nomeadamente, entre as mulheres da sua população, enviando assim uma mensagem ao país com quem faz fronteira e tem estado num crescendo de tensões afirmando que estão “prontos para resistir”.

Segundo uma atualização na regulação do exército, que entrou em vigor no dia 17 de setembro, as mulheres com idades entre os 18 e os 60 anos que estão “aptas para o serviço militar” deverão registar-se nas Forças Armadas ucranianas.

Contudo, apenas aquelas com idades entre os 20 e os 40 anos é que podem ser mobilizadas para servir como soldados regulares, com exceção para algumas mulheres que tenham filhos que ainda sejam crianças e estudantes a tempo inteiro, entre os homens, a idade para exercer esta função é entre os 20 e 50 anos.

Esta regulação já incluía uma grande variedade de profissões, mas agora esta seleção é expandida para incluir empregos como bibliotecárias, jornalistas, músicas, veterinárias e psicólogas, entre outras.

No caso da Ucrânia entrar em guerra, estas mulheres podem vir a ser mobilizadas como parte da reserva nacional do país e servir numa vasta gama de especialidades militares.

“Não se trata de alistar após atingir uma certa idade, como acontece com os homens. Trata-se de juntar ao exército em tempo de guerra. E considerando que existem mais de 122 mil soldados russos junto às nossas fronteiras, a decisão parece lógica, oportuna e sensata”, disse a membro do parlamento ucraniano, Oleksandra Ustinova, à revista Coffee or Die.

“Esta decisão envia um sinal poderoso a Moscovo de que os ucranianos estão prontos para resistir”, disse Ustinova. “Apesar de nos esforcemos para a introdução do exército contratado, na situação atual, a decisão de educar o maior número possível de pessoas para usar armas e estar prontas para servir parece boa”.

Nem todos receberam esta decisão de braços abertos, com a regulação a ser criticada por exigir que mulheres grávidas ou com filhos pequenos (salvo algumas exceções) se registem no exército, assim como a elevada idade máxima, 60 anos, que irá obrigar comissários do exército a verificar se cada individuo está apto para entrar nas Forças Armadas, escreve o Kyev Post.

Além de expandir a quantidade de mulheres que se podem alistar no exército, a Ucrânia tem assistido a um aumento de alistamentos de civis que pretendem juntar-se às forças militares para proteger o seu país. Neste momento a Ucrânia conta com cerca de 215 mil soldados nas suas fileiras.

Há mais de um mês, a Rússia tem sido acusada pelo Ocidente de ter concentrado cerca de 100 mil soldados perto da fronteira com a Ucrânia, tendo em vista a uma possível intervenção militar contra Kiev.

Moscovo afirma ser livre de mover as suas tropas e nega qualquer intenção bélica, afirmando terem sido ameaçados por “provocações” de Kiev e da NATO, exigindo que a Aliança Atlântica se comprometa a não aceitar a adesão da Ucrânia, uma exigência que será discutida em negociações com Washington, em janeiro.

As relações entre Kiev e Moscovo estão tensas desde a anexação da península ucraniana da Crimeia pela Rússia, em 2014, dando início a uma guerra entre as tropas ucranianas e separatistas pró-Rússia.

 

Os comentários estão desactivados.