Economia

Circulação na A1 entre Lisboa e Porto mais cara 20 cêntimos com atualização das taxas de portagem

As taxas de portagem nas autoestradas geridas pela Brisa vão aumentar em média 1,57% no arranque do próximo ano.


A partir de 1 de janeiro, as taxas de portagem nas autoestradas geridas pela Brisa Concessão Rodoviária (BCR) vão aumentar em média 1,57%.

Em comunicado, a concessionária adianta que “existem casos de taxas de portagem que apresentam uma variação inferior à média ou mesmo nula, sendo que, noutros casos, as taxas de portagem apresentam uma variação superior à média, por não terem sido objeto de atualização em anos anteriores”.

Assim, nos principais percursos de longa distância, como por exemplo A6 Marateca-Caia, A1 Lisboa-Porto e A2 Lisboa-Algarve, a atualização será de 20 cêntimos nas duas primeiras e de 35 cêntimos na última.

Nos percursos urbanos, com elevada frequência de automobilistas, a Brisa destaca o aumento em 5 cêntimos entre Lisboa e Cascais (A5), à semelhança do troço Porto-Amarante (A4) e Maia- Santo Tirso (A3). Entre Porto e Valença, a subida será de 25 cêntimos.

Na CREL (A9), bem como nos sublanços da A1 entre Alverca e Vila Franca de Xira e entre Espinho e Carvalhos, os preços das portagens mantêm-se inalterados.

A Brisa adianta também que "apenas metade das 364 taxas de portagem praticadas na rede BCR será alterada" e que no caso da classe 1 "apenas 28 das 93 taxas de portagem aplicadas (30% do total) serão atualizadas, sendo que, na maioria dos percursos com mais elevada frequência de automobilistas ou com maior extensão, o impacto será diminuto".

 

 

Os comentários estão desactivados.