Internacional

Vários países bateram hoje recordes de casos da covid-19. Mas como estão as mortes e internamentos?

No dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou para um “tsunami de casos” devido à propagação simultânea das variantes Delta e Omicron, além de Portugal, também o Reino Unido, Itália, Dinamarca e França registaram valores recorde.


Vários países europeus ultrapassaram, esta quarta-feira, o número máximo de casos diários de covid-19 desde o início da pandemia. No dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou para um “tsunami de casos” devido à propagação simultânea das variantes Delta e Omicron, além de Portugal, também o Reino Unido, Itália, Dinamarca e a França registaram valores recorde.

Portugal registou hoje quase 27 mil novas infeções, com Lisboa e Vale do Tejo a concentrar a maior parte dos novos casos. Hoje foi o segundo dia consecutivo que o país ultrapassou o número máximo de casos, depois de ontem terem sido registados mais de 17 mil casos. No entanto, é de salientar, que face ao recorde anterior – 16.432 casos a 28 de janeiro de 2021 – há uma diminuição considerável do número de mortes: hoje foram registadas 12 vítimas mortais, menos 291 do que as 303 registadas em janeiro de 2021. Também o número de internados é bastante mais baixo em relação a 28 de janeiro, enquanto hoje estão 971 pessoas com sintomas da covid-19 nos hospitais portugueses, há cerca de um ano, este valor era de 6.565.

No Reino Unido, que recentemente diminuiu o período de isolamento de infetados de 10 para 7 dias, registaram-se mais de 183 mil casos, mais de 50 mil do que o recorde atingindo no dia anterior. O conjunto de países ultrapassou pela primeira vez há uma semana a barreira dos 100 mil casos diários, no entanto, se olharmos para a vaga do último inverno, há também menos mortes e internados. Entre a última semana de janeiro e os primeiros dias de fevereiro de 2021 a média de mortes diárias causadas pela covid-19 era superior a mil e hoje morreram 57 pessoas. Já nos hospitais britânicos estão 8.246 pessoas internadas, sendo que, na última semana de janeiro, chegaram a estar mais de 38 mil pessoas hospitalizadas.

Em Itália, o primeiro país europeu a ser brutalmente atingido pela pandemia de covid-19 em março de 2020, contabilizaram-se hoje mais 98 mil casos da doença, mais 20 mil do que o recorde atingido no dia anterior. Registaram-se ainda mais 148 mortes. Contudo, em novembro de 2020, quando no dia 13 se registou um recorde de 40 mil casos, o valor de mortes foi de 550.

A Dinamarca é o país do mundo com a maior incidência de casos de covid-19, ao registar 1.700 novos casos por 100 mil habitantes nos últimos sete dias, e contabilizou hoje mais de 23 mil infeções. O pico anterior de novas infeções havia sido registado na segunda-feira, com mais de 16 mil casos. Há atualmente 675 pessoas internadas e, no que diz respeito à media semanal de mortes, esta situa-se nos 89, longe da média de 249 mortes numa semana em janeiro de 2021.

Por fim, o ministro da Saúde de França anunciou que o país bateu o recorde europeu: foram registados 208 mil casos em apenas 24 horas, mais 30 mil do que ontem. O ministro Olivier Véran não avançou com o número de mortes de hoje mas ontem, quando também foi registado um recorde de cerca de 180 mil casos, contabilizaram-se 290 mortes. Ora, se olharmos para o dia 7 de novembro, quando houve um recorde de cerca de 87 mil casos, registaram-se 304 mortes, mas a média semanal era superior a 480 e é importante realçar que os números relativos aos mortos em lares são atualizados duas vezes por semana.

Os comentários estão desactivados.