Sociedade

PSP abre processo de averiguação após acusações de intervenção policial "repressiva" em Beja

Em causa está uma intervenção policial que aconteceu durante festejos ilegais na passagem de ano em Beja.


A PSP negou esta quarta-feira ter feito uma intervenção policial "mais repressiva" em festejos ilegais na passagem de ano em Beja, anunciando que abriu um processo de averiguações, após alguns agentes terem sido acusados de agressões a várias pessoas.

"Relacionada com festejos não legalmente autorizados", a intervenção policial, "pela sua natureza e [pelas] imagens divulgadas" em redes sociais e órgãos de comunicação social "desencadeou um processo de averiguações", refere a PSP

O Comando Distrital de Beja da Polícia informou, em comunicado enviado à Lusa, que o processo "seguirá os seus trâmites normais, de acordo com os regulamentos internos da PSP".

Os agentes da PSP em questão são acusados de agredir várias pessoas, "a maioria imigrantes", na madrugada de passagem de ano, na Praça da República, em Beja, por uma das alegadas vítimas, que já apresentou queixa ao Ministério Público, à Inspeção-Geral da Administração Interna e ao Provedor de Justiça.

Na nota, a PSP esclarece que, na madrugada do passado dia 1, "foi alertada para a existência de uma fogueira" na Praça da República e que, "chegada ao local, a PSP constatou a veracidade da existência de uma fogueira, que consubstancia uma prática ilícita, carecendo de autorização por parte das entidades competentes".

Segundo aquela força policial, no local estavam "vários grupos de pessoas (de número superior a 10) a consumirem bebidas alcoólicas na via pública, ações proibidas", conforme a resolução do Conselho de Ministros que decretou medidas de contenção para o período de Natal e passagem de ano e até ao dia 9 deste mês devido à pandemia de covid-19.

"Perante os ilícitos verificados, ponderado o número de pessoas envolvidas (aproximadamente 50) e o contingente policial que se deslocou ao local, a PSP optou por se limitar a fazer cessar os ilícitos referidos", acrescenta o comando.

E fê-lo "sem qualquer outro procedimento, promovendo a dispersão dos vários grupos de pessoas presentes no local, com recurso ao diálogo, de forma proativa e pedagógica", frisa.

"Nunca se verificou a necessidade do recurso a uma intervenção mais repressiva, apesar do registo de alguns momentos de maior tensão e exaltação, ao longo do diálogo mantido com as pessoas envolvidas, aparentemente embriagadas, na sua generalidade", garante.

O Comando Distrital de Beja da PSP adianta ainda que "não teve nota de qualquer intervenção em que estivessem envolvidos, especificamente, imigrantes".

Na queixa, a alegada vítima conta que, naquela madrugada, "houve uma carga policial contra algumas pessoas" que celebravam a entrada no novo ano na Praça da República.

"Estava cerca de uma dúzia de pessoas, dispersas em pequenos grupos", e, "de forma abrupta", chegaram "quatro veículos da PSP", dos quais saíram "cerca de duas dezenas de agentes, aos gritos e insultos", munidos de "cassetetes, distribuindo bastonadas indiscriminadamente, sem dirigir qualquer palavra antes", alega.

Segundo o relato, cita a Lusa, a "maioria das pessoas" que estavam na praça era constituída por "imigrantes", os quais "foram cercados, agredidos e perseguidos, sem terem tido qualquer reação que não fugir ou tentar proteger-se".

Os comentários estão desactivados.