Internacional

Ex-candidato a presidente de Câmara no Canadá detido nos EUA depois de atravessar fronteira ilegalmente

Kevin J. Johnston, um dos rostos do movimento anti-vacinas e antigo candidato à câmara de Calgary, no Canadá, tem um longo historial de problemas com a polícia e com a lei canadiana. O homem de 50 anos foi considerado "fugitivo canadiano" por não ter comparecido a um tribunal de Toronto para começar a cumprir uma pena de prisão esta terça-feira. O seu advogado diz que fugiu para os Estados Unidos na esperança de pedir asilo político. 


Uma das figuras mais conhecidas do movimento anti-vacinas no Canadá e antigo candidato a presidente da câmara da cidade de Calgary, Kevin J.Johnston, foi preso, esta terça-feira, nos Estados Unidos, depois de atravessar a fronteira a pé ilegalmente, uma vez que o homem foi considerado "fugitivo canadiano" por não ter comparecido a um tribunal de Toronto para começar a cumprir uma pena de prisão. 

Segundo a CBS News Canada, o Serviço de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos confirmou que o Kevin Johnston, de 50 anos, foi detido por entrar apeado ilegalmente no país, tendo sido encontrado em Plentywood, no condado de Montana. 

À primeira vista, a polícia norte-americana não sabia de quem se tratava, quando mais tarde foi possível identificar que o homem encontrado a "vaguear a pé" era Kevin Johnston, "um fugitivo canadiano" procurado pela Royal Canadian Mounted Police, a maior força de segurança nacional e federal do Canadá, relatou a mesma fonte. 

Contudo, são desconhecidas as circunstâncias da sua detenção. Ou seja, segundo a CBS News, não está claro se Johnston foi efetivamente acusado de atravessar ilegalmente a fronteira, se está autorizada a regressar ao seu país ou quanto tempo passou sob custódia dos Estados Unidos. Há apenas uma certeza: na terça-feira à noite, Kevin foi entregue à Agência dos Serviços de Fronteira do Canadá. 

O advogado do ex-candidato, numa declaração divulgada esta quarta-feira, disse que o seu cliente atravessou a fronteira na esperança de pedir asilo político "devido ao tratamento que tem sofrido nos últimos cinco anos devido à perseguição política por parte do governo canadiano". Na mesma nota, é explicado que Johnston teve de comparecer mais de 200 vezes em tribunal naquele período de tempo e que cumpriu cinco meses de prisão pelas suas "opiniões conservadoras". 

Kevin Johnston tem um longo historial de problemas com a polícia e com a lei canadiana. A última detenção está relacionada com um desacato no qual este foi considerado culpado por difamar constantemente um empresário do setor da restauração local de nacionalidade muçulmana, através de mensagens online com palavras racistas e um discurso de ódio. Estava determinado que Kevin iria começar a cumprir a sentença de 18 meses, mas o político não compareceu no tribunal, ao fugir para os Estados Unidos. 

Segundo o Calgary Herald, o homem de 50 anos estava a ser procurado em duas cidades diferentes. No mês passado, Johnston não regressou ao Centro de Detenção de Calgary, no passado mês, para continuar a cumprir uma pena de prisão intermitente, na qual ele estaria apenas aos fins-de-semana preso naquela instituição, por violar várias ordens do tribunal para cumprir as medidas de prevenção de saúde pública derivadas pela pandemia de covid-19: por assediar um inspetor da autoridade de saúde e por causar distúrbios num centro comercial, dado que se recusou a usar máscara. 

Os comentários estão desactivados.