Internacional

Drone com desfibrilhador salva a vida de homem durante ataque cardíaco na Suécia

Quando um homem de 71 anos estava a ter um ataque cardíaco na entrada da sua casa, valeu-lhe um vizinho atento que, enquanto chamava o 112 e lhe fazia uma massagem cardíaca recebeu a ajuda preciosa do programa EMADE - a entrega aérea de um drona com um desfibrilhador. A vítima está em casa, a sã e salvo e grata pela tecnologia e rapidez.


Um homem sueco de 71 anos pode hoje dar graças por estar vivo - em parte - a um drone que, no espaço de três minutos, lhe levou um desfibrilhador a casa enquanto este se encontrava a ter um ataque cardíaco. Esta é a primeira vez na história que um drone autónomo ajuda a salvar a vida de um paciente.

No dia 9 de dezembro de 2021, um homem encontrava-se a retirar a neve que estava acumulada na entrada da sua casa, na cidade sueca de Trollhättan, quando começou a ter um ataque cardíaco. A sua vida foi salva por um conjunto de fatores, entre os quais o Everdrone's Emergency Medical Aerial Delivery (EMADE). Depois de ter sido chamado o serviço de emergência, o drone foi enviado diretamente para casa da vítima e usado por um cidadão que estava a passar e que, por acaso, era médico. 

O aparelho chegou a casa da vítima em três minutos, uma ajuda preciosa, sendo que alguém a ter um ataque cardíaco deve ser socorrido no espaço máximo de dez minutos. Depois da disfibrilhação e das manobras de reanimação aplicadas pelo médico que ali passava, o homem de 71 anos foi levado para o hospital e está agora totalmente recuperado. 

"Eu não consigo descrever o quão grato estou por esta tecnologia e pela velocidade com que o desfribrilhador foi entregue. Se não fosse o drone, eu provavelmente não estaria aqui", disse o homem, citado pela página oficial do Everdrone.

O médico que por ali passava era Mustafa Ali e sente que a experiência foi gratificante apesar da gravidade da situação: "Eu estava a caminho do trabalho quando olhei pela janela do carro e vi um homem caído no chão da sua entrada de casa", explicou o Dr. Ali.

"Apercebi-me imediatamente de que alguma coisa estava mal e fui a correr ajudar. O homem não tinha pulsação então eu comecei a fazer massagem cardíaca enquanto pedi a outra pessoa que estava a passar para chamar o 112. Minutos depois vi uma coisa e voar por cima da minha cabeça e era um drone com um desfibrilhador!". 

O aparelho foi desenvolvido com o Centro de Ciência de Ressucitação no Karolinska Institutet.

Num estudo piloto do programa EMADE que durou quatro meses, foram recebidos 14 alertas de ataque cardíaco que seriam elegíveis para o drone, sendo que em 12 desses casos o aparelho levantou voo e em 11 deles o desfibrilhador foi entregue com sucesso. Em 7 desses, o desfibrilhador chegou mesmo antes da ambulância.

Na Europa, há cerca de 275 mil pacientes que sofrem de ataques cardíacos anualmente e em 70% dos casos, isso acontece dentro de uma casa ou de algum sítio onde não existe desfibrilhador. A probabilidade de sobrevivência é de cerca de 10%.

Os comentários estão desactivados.