Sociedade

3,5 milhões de portugueses infetados até ao final de março

Com a projeção de um impacto menos grave nas hospitalizações, curva de infeções prevista em Portugal sugere que pelo menos 30% da população poderá ter contacto com o vírus nos próximos três meses. “É o cenário conservador”, diz Carlos Antunes, que admite que maior impacto será no absentismo e nos cuidados de saúde de primeira linha.


O nível de contágios esperado este inverno com a maior transmissibilidade da variante Omicron poderá implicar que no final de março pelo menos um terço da população portuguesa tenha estado infetada neste período. As estimativas são avançadas ao i por Carlos Antunes, investigador da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, e têm por base um cenário de evolução da pandemia sobreponível ao cenário mais conservador apresentado esta semana pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge na reunião do Infarmed, que aponta para um máximo de 42 mil casos notificados entre esta semana e a próxima. O pico de notificações ser atingido já no início do ano está dependente do efeito da semana de contenção ter conseguido inverter a subida de contágios que se viveu depois das festas (colocando o R abaixo de 1), como explicou ao i Baltazar Nunes, do INSA, adiantando que, caso isso não ocorra, o pico poderá verificar-se mais tarde e que com a abertura das escolas será esperado de novo um aumento de infeções, colocando as infeções num planalto mas progressivamente a baixar até à medida que avança a vacinação e reforço.

Carlos Antunes diz que tendo em conta a atual trajetória, o RT tem estado a convergir para 1, mas mantém-se até aqui uma tendência de aumento e admite que será difícil suster o aumento quer porque há mais contactos, quer porque a redução do isolamento e quarentena poderá ter um impacto na transmissão. Assumindo ainda assim um cenário de maior controlo da transmissão, calcula que até ao final de março é possível que venham a ser notificados 3,5 milhões de casos no país.

E embora se antevejam menos hospitalizações fruto da proteção vacinal e menor severidade da variante, salienta que são números que implicarão mesmo com menos casos a precisar de assistência uma pressão significativa nos cuidados de saúde de primeira linha, nomeadamente médicos de família e saúde pública mas também em termos de absentismo, mesmo já com as novas regras que reduzem o isolamento para sete dias em infetados assintomáticos ou com doença ligeira e restringem o isolamento de contactos de alto risco a coabitantes que não tenham feito a dose de reforço.

Atualmente o número de casos ativos e pessoas em isolamento é já o mais elevado desde o início da pandemia, apesar do encurtar do tempo de isolamento de infetados se ter feito ontem traduzir no aumento de pessoas recuperadas nas últimas 24 horas. Ainda assim, ontem com 247 mil infetados a cumprir isolamento, o país deverá passar hoje a barreira dos 250 mil pela primeira vez, sensivelmente 2,5% da população. Somam-se mais de 200 mil contactos em vigilância, de acordo com o balanço da DGS, num total de pelo menos 450 mil pessoas isoladas.

Carlos Antunes admite que se se confirmar a menor severidade e a elevada incidência na população, que poderá ser na realidade maior se se tiver em conta casos assintomáticos que nunca são detetados, uma maioria da população pode vir a contactar com o vírus ao longo do inverno e somar imunidade natural à conferida pelas vacinas.

Ao i, Christopher Murray, diretor do Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde da Universidade de Washington (IHME), que há duas semanas avançou com projeções globais que apontavam para um pico de 60 mil casos detetados em Portugal no fim deste mês, podendo chegar a 140 mil infeções se se tiver em conta assintomáticos, considera que a vaga causada pela Omicron poderá aumentar a imunidade da população de forma considerável ao longo deste inverno, mas há que ter presente que podem surgir novas variantes, um alerta que também tem sido feito pela Organização Mundial de Saúde nos últimos dias.

“Esperamos que depois de março já não haja muita transmissão de Omicron. No entanto, devemos esperar a emergência de novas variantes, algumas com capacidade de escapar à imunidade e manter a transmissão. Acreditamos que continuará a haver transmissão especialmente no inverno devido à emergência de variantes. Contudo, com o aumento da imunidade de infeções prévias, acesso a reforços regulares da vacina e a antivirais, a covid-19 possa vir a ter um impacto equivalente ou inferior à da gripe sazonal”, diz o diretor do IHME.

Incidência nos mais velhos a subir Nos últimos dias, o aumento de casos notificados em Portugal foi transversal a todas as idades mas o grupo dos mais velhos, que no início da vaga de Omicron foi menos afetado, regista agora uma tendência de subida mais acentuada. Os internamentos que começaram por aumentar na região de Lisboa estão também a iniciar a subida no resto do país e aumentou em 11 o número de doentes em UCI, que nos últimos dias se mantinha estável. Ao que o i apurou, foi na região de Lisboa que houve necessidade de internar mais doentes em UCI, com mais oito doentes com covid-19 a precisar de cuidados intensivos face ao dia anterior, mas são precisos mais dias para estabelecer uma tendência.

 

Os comentários estão desactivados.