Sociedade

Expansão do metro em Lisboa vai condicionar trânsito no Campo Grande

Intervenções para prolongar as linhas Amarela e Verde do Metro vão resultar em constrangimentos de trânsito na zona do Campo Grande, em particular no Terminal Rodoviário, bem como de circulação na Avenida Padre Cruz.


As obras de intervenção no Campo Grande, no âmbito da expansão do Metropolitano de Lisboa, vão condicionar o trânsito naquela zona da cidade, anunciou esta terça-feira a empresa.

Em comunicado, o Metropolitano de Lisboa adiantou que vai dar início à empreitada de projeto e construção dos toscos, acabamentos e sistemas para o prolongamento das linhas Amarela e Verde.

Estas obras implicam “a introdução de alguns constrangimentos de trânsito na zona do Campo Grande, em particular no Terminal Rodoviário, bem como de circulação na Avenida Padre Cruz”, indicou.

“Assim, a partir do próximo dia 19 de janeiro, e durante um período previsto de 17 meses, será encerrado o Ramo de Saída Av. Padre Cruz / Estrada de Telheiras para o Terminal Rodoviário e Estádio, dando lugar à mudança temporária do percurso dos transportes coletivos para o terminal do Campo Grande, passando a saída de passageiros a ser feita em frente ao edifício da NOS e sob o viaduto da Segunda Circular”, lê-se na nota.

A empresa esclareceu ainda que, a partir de 20 de janeiro e durante seis meses, “existirão constrangimentos na circulação rodoviária na Av. Padre Cruz na sequência da supressão da via esquerda tanto na faixa sentido Odivelas-Lisboa, como também na faixa sentido Lisboa-Odivelas, e de condicionamento de berma da Av. Padre Cruz no sentido Lisboa-Odivelas”.

De acordo com o Metropolitano de Lisboa “a construção da nova linha circular irá implicar a construção no Campo Grande de um novo viaduto de cerca de 158 metros que permitirá ‘fechar’ o anel no Campo Grande”, e “a atual linha Amarela, na extensão Campo Grande/Odivelas, será também ligada ao atual troço de Telheiras, através de um viaduto de 428 metros implantado a norte dos viadutos já existentes”.

Os comentários estão desactivados.