Tecnologia

Youtube é das plataformas que ajuda mais à desinformação, dizem organizações

Organizações de todo o mundo dão sugestões para a plataforma combater a desinformação. 


O YouTube é um canal de desinformação em todo o mundo e não está a fazer o suficiente para combater a propagação de notícias falsas na sua plataforma, de acordo com uma aliança global de organizações de verificação de factos.

Uma carta assinada por mais de 80 grupos, incluindo o Full Fact no Reino Unido e o Fact Checker do Washington Post, afirma que a plataforma está a acolher conteúdos de grupos – incluindo Doctors for the Truth – que espalham informação errada sobre a covid-19 e vídeos de apoio à conhecida narrativa da "fraude" durante as eleições presidenciais nos Estados Unidos da América.

"O YouTube está a permitir que a sua plataforma seja armada por atores sem escrúpulos para manipular e explorar os outros, e para se organizar e angariar fundos. As medidas atuais estão a revelar-se insuficientes", afirma a carta à chefe executiva do YouTube, Susan Wojcicki, que descreve o YouTube como um "grande canal" para as falsidades.

A carta insta o YouTube – propriedade da Google – a fazer quatro alterações às suas operações: um compromisso de financiar uma investigação independente sobre as campanhas de desinformação na plataforma; fornecer links para refutações dentro de vídeos que distribuem desinformação e desinformação; impedir os seus algoritmos de promover infratores reincidentes; e fazer mais para combater as mentira em vídeos de língua não inglesa.