Internacional

Rússia diz que conversações com a NATO estão a chegar a um beco sem saída

Ministro dos Negócios Estrangeiros polaco, Zbigniew Rau, avisou que a Europa enfrenta o seu maior risco de guerra nos últimos 30 anos.


Rússia disse que as conversações com a NATO sobre a Ucrânia estavam a chegar a um beco sem saída, ameaçando tomar "medidas necessárias", que não foram especificadas, se as suas exigências não fossem cumpridas.

Uma série de declarações pessimistas de altos funcionários russos emergiram quando o Ministro dos Negócios Estrangeiros polaco, Zbigniew Rau, avisou que a Europa enfrenta o seu maior risco de guerra nos últimos 30 anos. Rau dirigia-se às 57 nações da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). Sublinhe-se que foi a terceira vez esta semana que a Rússia discutiu a segurança com países ocidentais. "Não posso dizer que um avanço é iminente", disse o ministro polaco, que assumiu a presidência da OSCE, aos jornalistas. "Alguns dos Estados participantes acreditam que basta fazer uma declaração e não participar no debate”.

A Rússia mobilizou 100.000 soldados e colocou equipamentos militares ao longo da sua fronteira com Ucrânia, ao mesmo tempo em que emitiu uma série de exigências de segurança que a Organização do Tratado Do Atlântico Norte (OTAN) disse serem impossíveis de atender, assim como a remoção de tropas de membros do leste da Aliança e um bloqueio a qualquer pedido de adesão de Kiev.

Em Kiev, Pavlo Klimkin, antecessor de Kuleba como Ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, afirmou que as conversações desta semana com o Kremlin em Genebra, Bruxelas e Viena tinham "aliviado as tensões". Mas disse que o risco de uma provocação militar ou "outra" por parte de Moscovo continuava extremamente elevado, "especialmente no final do inverno ou início da primavera".