Sociedade

Baixas covid atingem novos recordes mesmo com muitos isolados a continuar a trabalhar

Até dia 24 foram processadas 187 mil baixas por doença covid-19 e169 mil de isolamento profilático.


O número de baixas pagas pela Segurança Social por causa da covid-19 disparou face a dezembro e representa já metade da despesa global de 2021 no caso das baixas por doença, mesmo com a maioria dos isolados sem requerer estes apoios, nomeadamente pessoas em isolamento profilático que podem ficar em teletrabalho e que não são elegíveis para receber o subsídio.

De acordo com dados revelados ontem pelo Ministério do Trabalho e Segurança Social à agência Lusa, desde o início do mês e até dia 24 foram processadas 187 mil baixas por doença covid-19, numa despesa de 44,3 milhões de euros. Tendo em conta que desde o início de janeiro foram diagnosticados agora em Portugal cerca de 890 mil casos de covid-19, cerca de 240 mil em crianças e jovens até aos 19 anos, percebe-se que também aqui na maioria dos casos não se justificou baixa por doença.

Ainda assim, representam já mais de metade do total de baixas por doença covid-19 pagas em 2021 pela Segurança Social: segundo os dados publicados pela tutela, no ano passado foram processadas um total de 266 mil baixas por doença covid-19. E também a despesa equivaleu, em 24 dias do mês de janeiro, a metade da despesa em todo o ano de 2021, quando atingiu 88,7 milhões de euros.

No caso das baixas por isolamento profilático, os dados avançados à Lusa revelam que foram processadas 169 mil subsídios, 11 vezes mais do que em dezembro, numa despesa de 37,4 milhões de euros. Só ontem havia mais de 520 mil contactos em vigilância (em casa), pelo que uma parte significativa tem estado a trabalhar à distância. Em 2021, revelam os dados do Ministério do Trabalho e da Segurança Social, foram processadas um total de 452 mil baixas por isolamento profilático, numa despesa de 142,6 milhões de euros.

No ano passado, entre baixas covid-19 e por isolamento profilático, estas medidas extraordinárias de apoio da Segurança Social tiveram um custo de 231 milhões de euros, superando uma despesa de cerca de 125 milhões de euros em 2020.

Os comentários estão desactivados.