Internacional

Austrália deverá enviar gás extra para Europa

Rússia já tinha restringido o fluxo de gás através do gasoduto que atravessa a Ucrânia de cerca de 100 metros cúbicos por dia para 50 metros.


Austrália está a considerar fornecer gás natural liquefeito extra (GNL) à Europa depois de os Estados Unidos da América (EUA) e o Reino Unido terem levantado receios de que a dependência do continente em relação à Rússia fique vulnerável.

Com mais de 100.000 tropas russas a juntarem-se perto da fronteira com a Ucrânia, os EUA disseram estar a trabalhar com aliados e parceiros para preparar sanções financeiras "com consequências massivas" caso o presidente russo Vladimir Putin decida invadir o país da Europa Oriental.

Um alto funcionário da administração Biden revelou que os EUA estavam também "a analisar o fluxo global de GNL, seja dos Estados Unidos ou da Austrália ou de outros lugares". Também Qatar faz parte das conversações sobre o fornecimento de energia. "A conversa é realmente ampla com muitas empresas e países de todo o mundo", disse o funcionário da administração num briefing de imprensa de fundo.

O funcionário disse que a Rússia já tinha restringido o fluxo de gás através do gasoduto que atravessa a Ucrânia de cerca de 100 metros cúbicos por dia para 50 metros.

Os comentários estão desactivados.