Internacional

Três ex-agentes de Minneapolis julgados por não terem prestado auxílio a George Floyd

George Floyd morreu a 25 de maio de 2020 depois de o agente Derek Chauvin ter pressionado durante vários minutos o seu pescoço com o joelho.


Foram esta segunda-feira ouvidos por um júri os três ex-polícias de Minneapolis que estão acusados de violar os direitos civis de George Floyd por nada terem feito para o salvar.

O caso remonta a maio de 2020, altura em que o agente Derek Chauvin pressionou o pescoço de George Floyd com o joelho, não tendo Tou Thao, J. Alexander Kueng e Thomas Lane feito nada para impedir que a vítima morresse.

Os ex-polícias “deixaram-se ficar ou ajoelharam-se ao lado do polícia Chauvin que matava Floyd”, referiu a acusação, lembrando que os acusados têm treino de reanimação cardiorrespiratória e que, apesar de serem agentes de autoridade, “escolheram não proteger George Floyd, o homem que algemaram e colocaram sob custódia". 

Uma testemunha que assistiu às agressões do agente Derek Chauvin emocionou-se e chorou durante o julgamento e com estas declarações, a acusação pretendia demonstrar que mesmo pessoas sem treino médico saberiam naquele momento que Floyd precisava de ajuda.

Derek Chauvin foi condenado a 22 anos e meio de prisão pelas acusações de assassinato e homicídio involuntário, por ter pressionado o joelho contra o pescoço de Floyd, enquanto o cidadão negro se queixava de que não conseguia respirar, durante a sua detenção, em 25 de maio de 2020.

Os comentários estão desactivados.