Sociedade

Defesa de Rendeiro e MP sul-africano já reuniram para enviar documentos do processo de extradição para Portugal

Reunião decorreu esta sexta-feira de manhã.


A defesa de João Rendeiro esteve reunida, na manhã desta sexta-feira, com o Ministério Público sul-africano (National Prosecuting Authority –​ NPA) e os documentos do processo de extradição do ex-banqueiro português já foram selados e serão enviados para Portugal, avança o Correio da Manhã.

“Nos termos do acordo com o NPA (National Prosecuting Authority), os documentos vão para Portugal para se avaliar se estão intactos e para serem certificados, sendo que nos reservamos ao direito de argumentar sobre a autenticidade”, havia referido June Marks, advogada de João Rendeiro, numa resposta enviada à agência Lusa.

É de realçar que, ontem, a defesa do antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) já tinha revelado que as partes do processo se iam reunir esta sexta-feira, pelas 10h00 (08h00 em Lisboa), depois de, na semana passada, ter revelado que o encontro servia “para selar os documentos e enviá-los de volta” a Portugal.

Recorde-se que o tribunal de Verulam, na África do Sul, decretou o adiamento do processo de extradição de João Rendeiro para junho deste ano, tendo assim a parte portuguesa do processo de voltar a Portugal uma vez que foi encontrado um selo danificado. Em fevereiro há uma nova sessão marcada para discutir as medidas de coação.

A advogada disse ainda que os últimos dias têm sido dedicados ao trabalho na abordagem a um novo pedido de libertação sob fiança.

João Rendeiro foi detido a 11 de dezembro na cidade de Durban, depois de quase três meses de fuga à justiça portuguesa. O português foi presente ao juiz Rajesh Parshotam, do tribunal de Verulam, que decretou, no dia 17 de dezembro a medida de coação mais gravosa: prisão preventiva.

Os comentários estão desactivados.