Sociedade

Assassino de menina lusodescendente Maëlys de Araújo condenado a prisão perpétua

Homem pediu desculpas à família da vítima, tendo este pedido sido desvalorizado.


Foi condenado a prisão perpétua com um período de prisão efetiva de pelo menos 22 anos Nordhal Lelandais, o homem de 38 anos acusado da morte da menina lusodescendente de 8 anos Maëlys de Araújo, durante uma festa de casamento no sudeste de França, em 2017.

O Tribunal considerou que o homem era responsável por todos os factos de que estava acusado e teve em conta o pedido feito pelo Ministério Público de prisão perpétua com um período de prisão efetiva de pelo menos 22 anos.

Perante o Tribunal de Grenoble Assize, o assassino confesso da morte da criança voltou hoje a pedir desculpas.

"Como lhe disse na sexta-feira, reconheço sinceramente todos os factos pelos quais estou acusado. Sei que as famílias nunca vão aceitar as minhas desculpas, mas peço-lhes desculpas com a maior sinceridade", afirmou, nas suas últimas palavras antes de uma pausa na sessão para as deliberações.

O pedido foi, contudo, desvalirizado pela defesa da família de Maëlys.

"Nordahl Lelandais teve muito tempo durante estas três semanas de julgamento para nos contar o que realmente aconteceu naquela noite de 26 para 27 de agosto. O que ele conseguiu dizer foi de pouco valor para meus clientes", afirmou Fabien Rajon.

Os comentários estão desactivados.