Sociedade

Ativista juntou-se à Amnistia Internacional e já angariou mais de 8 mil euros para ajudar a Ucrânia

Até às 23h desta segunda-feira, Francisca de Magalhães Barros angariara 8.296 euros dos 100 mil estipulados.

DR

"Juntos pela PAZ! Conflito armado na Ucrânia!" é o nome da angariação de fundos que a ativista Francisca de Magalhães Barros iniciou, juntamente com a Amnistia Internacional, para ajudar aqueles que mais têm sofrido desde a invasão da Ucrânia pela Rússia.

De acordo com informação disponibilizada na plataforma gofundme, que pode consultar aqui, o objetivo da também pintora e cronista e do movimento global é "providenciar apoio financeiro, através de um fundo de emergência que fornece apoio legal, suporte médico e proteção, em segurança, para todas as pessoas que estão em perigo iminente", "divulgar relatórios e organizar campanhas de mobilização pelos direitos humanos de todas as pessoas que estão a sofrer com este conflito", "realizar investigação no terreno, garantindo que as violações de direitos humanos que estão a ocorrer são documentadas e expostas ao mundo", "fazer advocacy política junto da comunidade internacional, nomeadamente com os representantes dos governos, nações e organizações multilaterais para que atuem imediatamente na resolução deste conflito" e promover a "educação para os direitos humanos, contra a desinformação e o discurso de ódio".

"O montante total será entregue à Amnistia Internacional. Estamos juntos pela paz e não podemos ficar simplesmente parados", diz a ativista, em declarações ao Nascer do SOL, adiantando que até às 23h desta segunda-feira foram angariados 8.296 euros dos 100 mil estipulados. "O Nuno Markl prontificou-se logo a ajudar fazendo um post, pois nunca me deixa sozinha nestas ações. Tal como a Jessica Athayde, a Catarina Furtado e a Mariana Monteiro", remata.

Importa referir que Portugal já recebeu 2.674 pedidos de proteção temporária desde o início da invasão russa da Ucrânia, sendo que esta informação foi avançada e atualizada pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e citada pela agência Lusa. É de mencionar que os dados dizem respeito ao período compreendido entre os dias 24 de fevereiro e o final do dia de hoje.