Politica

Ventura acredita que apoio do PSD França ao Chega é "mais um símbolo do falhanço" de Rio

Rio voltou a realçar que "do ponto de vista ideológico, não faz sentido rigorosamente nenhum para quem normalmente vota no PSD" alinhar-se com o Chega. "Andei por cinco paises europeus e em todos senti um enorme carinho da comunidade emigrante, e um enorme desejo de mudança", garante Ventura, acrescentando que o jantar em Paris "correu muito bem". 

Bruno Gonçalves

Depois de o Presidente do PSD, Rui Rio, ter dito, na quinta-feira da semana passada, que não tem a confirmação de que membros das estruturas do seu partido em França tenham participado num jantar do Chega no fim de semana anterior, nos arredores de Paris, André Ventura partilhou um vídeo com o Nascer do SOL - cujos momentos-chave pode encontrar na fotogaleria acima - através do qual é possível verificar o oposto.

Recorde-se que o líder do Chega disse à agência Lusa que havia estado reunido com vários membros e simpatizantes do partido num jantar de campanha, junto das comunidades portuguesas em França. Antes da passagem pela capital francesa o dirigente político iniciara o percurso na Suíça, na sexta-feira, com um jantar comício em Neuchâtel, contrariando a ideia de que o voto no partido de André Ventura "é um voto perdido", como o líder social-democrata afirmara.

"Eu tive oportunidade de estar aqui [em Paris] há uma semana, onde tive encontros com a comunidade portuguesa, onde expliquei muito claramente o interesse de votarem no PSD para enfraquecer o PS e que o voto no Chega é um voto perdido", afirmou Rui Rio em declarações aos jornalistas, que também estava em Paris para um encontro da direita europeia que contou com a presença de figuras políticas, como Karl Nehammer, chanceler austríaco, Krisjanis Karins, primeiro-ministro da Letónia e ainda a candidata às eleições presidenciais francesas Valérie Pécresse.

É de lembrar que à entrada para a cimeira do Partido Popular Europeu, o líder do PSD disse não ter a confirmação da presença de membros das estruturas do partido em França no jantar, que aconteceu no sábado, em Créteil, perto de Paris, com Ventura. "Acho difícil Rui Rio não saber que o líder máximo do PSD nas comunidades em França esteve e está a apoiar o Chega. Ele não quer é reconhecer essa evidência porque é, naturalmente, mais um símbolo do seu falhanço", declara Ventura ao Nascer do SOL, adiantando que "Rio passou toda a campanha a falar disso [do voto útil]", na medida em que "quis criar uma ideia de voto útil à direita. Não funcionou nem vai funcionar, pois votou mais de 60% das vezes ao lado do PS no Parlamento".

A seu lado, importa mencionar que Rio voltou a realçar que "do ponto de vista ideológico, não faz sentido rigorosamente nenhum para quem normalmente vota no PSD" alinhar-se com o Chega. "Andei por cinco paises europeus e em todos senti um enorme carinho da comunidade emigrante, e um enorme desejo de mudança", garante Ventura, acrescentando que o jantar em Paris "correu muito bem". "No final várias famílias emigradas há décadas vieram abraçar-me e disseram-me que nunca tiveram tanta esperança na mudança como agora com o Chega. Foi muito emotivo", sublinha, frisando que "uma grande parte do PSD França, como do PSD na Suíça e no Luxemburgo, está a passar sem reservas para o Chega". Algo que, na sua ótica, à semelhança dos resultados do CDS nas últimas eleições, espelha que "o eleitorado de direita e centro direita está muito insatisfeito com o estado do país e o crescimento do Chega evidencia isso mesmo".

Os eleitores do círculo da Europa foram chamados para votar novamente nas legislativas no círculo da Europa, depois de o Tribunal Constitucional ter anulado as eleições nestas assembleias. A repetição da votação presencial deste círculo teve lugar nos dias 12 e 13 de março e os votos por via postal serão considerados se recebidos até 23. Por outro lado, mais de 157 mil votos dos eleitores do círculo da Europa foram anulados após, durante a contagem, terem sido misturados votos válidos com votos inválidos, que não estavam acompanhados de cópia do Cartão de Cidadão, como exige a lei.

Naquilo que diz respeito aos resultados apurados, no círculo da Europa, o PS conquistou 14.345 (39,63%) dos 36.191 votos válidos e o PSD 9.761 (27,05%), sendo que o Chega obteve 3.985 votos (11,01%). No círculo fora da Europa, o PSD foi o partido mais votado, com 23.942 (37,09%) dos 64.534 votos válidos, enquanto o PS obteve 19.084 (29,57%) e o Chega, mais uma vez, constituiu a terceira força política mais votada com 6.123 votos (9,48%).