Brasil Presente

Não se briga com números e factos

Depois de 21 anos de governo autoritário – e não uma ditadura, como habitualmente referido –, o país chegou a oitava economia, tendo nos três anos do governo do presidente Emílio Médici chegado a crescer a taxas superiores a 10% ao ano, o que se chamou de ‘milagre brasileiro’

Não se briga com  números e factos

Em 1964, quando os militares, pressionados pela sociedade, abortaram o projeto de cubanização do Brasil, a economia nacional era a 46ª do mundo.

Depois de 21 anos de governo autoritário – e não uma ditadura, como habitualmente referido –, o país chegou a oitava economia, tendo nos três anos do governo do presidente Emílio Médici chegado a crescer a taxas superiores a 10% ao ano, o que se chamou de ‘milagre brasileiro’. Os 30 anos de regime democrático aberto, com eleições diretas, levaram o país para a 13.ª economia. Índia, Canadá, Coreia do Sul e Austrália passaram o Brasil.

A Espanha vem a seguir, mas também perdeu posição nos últimos anos. Já na renda per capita, a situação do país continua em torno da 80.ª, pela má distribuição e pela população muito grande, 225 milhões de habitantes. Entre as maiores em renda per capita países de população pequena, alto nível cultural como Singapura, Escócia e Irlanda. 
 
Variedades

• O deputado Aécio Neves, que foi governador de Minas Gerais por oito anos, foi absolvido de um processo que o acusava de ter recebido cerca de 300 mil euros para favorecer um grupo económico. Embora como parlamentar não tivesse poder para exercer nenhum ato de mando, o fato foi amplamente divulgado e aberto o processo. Diferente se tivesse surgido com património não explicado ou em nome de terceiros. Como parlamentar não teria mesmo como favorecer nenhum interesse empresarial. 
 
• O setor produtivo do etanol vai melhorar suas contas com o maior consumo em função do preço da gasolina. A maioria da frota de automóveis do Brasil pode ser abastecida com etanol. E a gasolina tem uma mistura de 20%. O etanol brasileiro é da cana e uma pequena parte, do milho.
 
• O embaixador do Reino Unido em Brasília, Peter Wilson, deixou o posto depois de apenas 14 meses e assume, na próxima semana, a chefia do gabinete de Boris Johnson. O diplomata declarou que o Brasil lucraria muito se diminuísse a burocracia. 

• No vólei, as estrelas brasileiras são de direita. O campeão Mauricio Souza vai ser candidato em Minas Gerais, e Ana Paula Henkel foi convidada por partidos de direita a se candidatar.

• Na linha de ‘tudo pelo voto’, o presidente Bolsonaro assinou lei que inclui absorventes nos programas sociais e no atendimento a presas.
 
• A crise na economia, agravada em todo mundo pela guerra, não inibe a ação demagógica dos políticos. Bolsonaro retira impostos e distribui voucher-gasolina, em medida onerosa para o orçamento do Estado e inócua, na escalada do preço dos combustíveis. E os deputados e senadores aprovam alegremente. A resolução poderia se limitar temporariamente a retirada de impostos do gasóleo, que faz rodar o transporte público e de cargas. A gasolina no Brasil custa bem menos do que na Europa. 

• A inflação, na casa dos 10%, faz aumentar a pressão do funcionalismo público por aumentos. Mas ainda existem limites de gastos para o presente ano. O pessoal do Banco Central entrou em greve parcial.

• Lula da Silva se rende a seus radicais e declara que vai ter a seu lado o movimento pela reforma agrária, o que aumenta o receio de retomada das invasões de propriedades, como ocorreu nos anos PT. Esta postura já faz diminuir nas sondagens sua distância de Bolsonaro. Muita coisa vai acontecer no processo eleitoral. 

• O governador do Rio Grande do Sul pode mudar de partido e tentar ser a terceira via. Sérgio Moro não consegue sair dos dez por cento nas sondagens e João Doria não passa dos dois por cento. 

• Os vacinados são cinco por cento dos óbitos nestas semanas. E quase todos com mais de setenta anos.
Rio de Janeiro, março de 2022

Os comentários estão desactivados.