Internacional

Rússia inicia investigação a jornalista por "informações falsas"

"Estas publicações foram acompanhadas de fotografias não fiáveis de civis afetados pelos bombardeamentos. O Ministério da Defesa russo já anunciou oficialmente que esta informação era falsa", disse o Comité de Investigação. 


A Rússia abriu esta terça-feira um processo-crime contra o jornalista Alexandre Nevzorov por publicar "informações falsas" sobre as ações das tropas russas na Ucrânia, e que poderá valer uma pena de 15 anos de prisão. 

Assim, o Comité de Investigação, responsável pelos principais casos, anunciou ter "aberto uma investigação criminal contra o jornalista Alexandre Nevzorov", acusando-o de ter "publicado intencionalmente informações falsas sobre um bombardeamento deliberado a uma maternidade em Mariupol [sudeste da Ucrânia] pelo Exército russo".

"Estas publicações foram acompanhadas de fotografias não fiáveis de civis afetados pelos bombardeamentos. O Ministério da Defesa russo já anunciou oficialmente que esta informação era falsa", disse a mesma fonte, numa declaração. 

Note-se que este é o primeiro caso conhecido deste tipo contra um jornalista na Rússia desde a implementação, no início de março, de uma lei que prevê até 15 anos de prisão por qualquer informação sobre o Exército russo que o Kremlin considere ser falsa. 

 

Os comentários estão desactivados.