Internacional

"A Rússia nunca violou qualquer convenção internacional", disse o porta-voz do Kremlin

As bombas de fósforo são armas incendiárias, cuja utilização é proibida (mas não contra alvos militares), segundo uma convenção assinada em 1980, em Genebra. 


"A Rússia nunca violou qualquer convenção internacional", declarou esta sexta-feira Dmitri Peskov, o porta-voz do Kremlin, quando foi questionado pela imprensa sobre as acusações feitas pela Ucrânia em relação ao país ter utilizado bombas de fósforo na ofensiva militar.

As bombas de fósforo são armas incendiárias, cuja utilização é proibida (mas não contra alvos militares), segundo uma convenção assinada em 1980, em Genebra. 

De acordo com o Protocolo III da Convention Internationale sobre as Armes Clássicas (CCAC), que vigora desde 1983, este tipo de armas "é proibida em todas as circunstâncias" contra as populações civis. 

Além disso, as armas incendiárias são também interditas contra alvos militares quando estes se encontram próximos de populações civis. Este protocolo não abrange, contudo as armas de fósforo branco quando são utilizadas pelas suas propriedades de fumaça ou iluminadoras.

A Rússia e a Ucrânia são considerados signatários deste protocolo desde 1982, ainda na antiga URSS, enquanto que a França assinou sob reserva em 2002 e os Estados Unidos, também sob reserva em 2009. 

Vários países foram acusados de terem usado armas incendiárias nos últimos anos, como os EUA, em 2004, no Iraque, ou Rússia, em 2018, na Síria.

Os comentários estão desactivados.