Cultura

Chardin. A vida secreta de uma natureza-morta

Pintor de culto do século XVIII, Chardin esteve esquecido durante décadas. Elogiado por Proust e Diderot, uma das suas obras-primas acaba agora de ser vendida a um galerista de Nova Iorque por valores pouco habituais.

Chardin. A vida secreta de uma natureza-morta

DR  


No outono da sua longa vida, ao aproximar-se da barreira dos 60 anos, o pintor Jean-Baptiste-Simeon Chardin (1699-1779) abandonou as pequenas cenas do doméstico quotidiano – senhoras a tomar chá, criadas a lavar a roupa, mães a vestir os filhos – para se dedicar quase exclusivamente ao seu primeiro amor, a natureza-morta, um género com uma tradição que remontava aos frescos de Pompeia, mas que não gozava no século XVIII de tanto prestígio como as cenas de História, os temas da Bíblia e da mitologia ou mesmo a paisagem.

Apesar da aparente simplicidade, as suas composições denotavam um extremo requinte. E, embora retratassem coisas tão banais como frutos, pães ou utensílios de cozinha, Chardin fazia-o com tal esmero e capacidade de observação que estas telas emanam ainda hoje uma insuperável aura de tranquilidade e mistério.

No Salon de 1761 – a exposição oficial para artistas da Academia que se realizava desde 1667 por iniciativa do Cardeal Mazarino, e que a partir de 1737 adquiriu uma periodicidade anual – Chardin apresentou uma pequena tela de 38 por 46 cm que constitui a quinta-essência da sua arte. Raras vezes um criador terá conseguido com tanto sucesso transformar os pigmentos numa imagem de poesia pura como n’O Cesto de Morangos Silvestres.

Esta obra-prima da natureza-morta, elogiada pelos irmãos Goncourt no seu famoso Diário, na segunda metade do século XIX – altura em que críticos e artistas resgataram a obra de Chardin do esquecimento em que tinha caído após a sua morte –, foi leiloada na passada quarta-feira em Paris. Com uma estimativa de entre 12 e 15 milhões de euros, acabou por ser arrematada por 24 milhões (com comissões) pelo galerista de Nova Iorque Adam Williams, avançou o The Art Newspaper.

Descrito pela leiloeira Artcurial, promotora da venda, como «uma das mais importantes pinturas francesas do século XVIII ainda em mãos privadas» e um «ícone da pintura ocidental», O Cesto de Morangos Silvestres é considerado talvez o pináculo da obra de Chardin. Edmonde e Jules de Goncourt não se cansaram de elogiar as duas flores representadas no primeiro plano, tão delicadas que foram talvez a parte da tela que resistiu menos bem à passagem do tempo: «Estes dois cravos: não são mais do que uma fragmentação de azuis e brancos, uma espécie de mosaico de esmaltes prateados em relevo; recua um pouco, as flores saem da tela à medida que te afastas […] é esse o milagre da arte de Chardin; modelados na massa e na vizinhança dos seus contornos, desenhados com a sua própria luz, feitos por assim dizer da essência das suas cores, parecem destacar-se da tela e ganhar vida através de um espantoso jogo de óptica no espaço entre a pintura e o espectador».

Mas se os célebres diaristas franceses preferiram destacar os cravos brancos, a ‘estrela’ desta pintura é indubitavelmente o cone de morangos, que já foi comparado a uma pirâmide egípcia ou a um vulcão em miniatura. Os pequenos frutos amontoados, pontuados aqui e ali pelo verde dos pedúnculos, são uma autêntica ode à cor, uma celebração dos prazeres proporcionados pelos sentidos.

Em contraste, repousa à esquerda do quadro sobre a mesa de madeira um austero copo de vidro com água – incolor, inodora e insípida –, um objeto onde Chardin ostenta todo o seu virtuosismo, conseguindo representar um objeto de uma transparência perfeita, mas nem por isso menos concreto.

O sorriso da raia
Mas quem foi este artista admirado pelos seus contemporâneos, patrocinado pela czarina Catarina, a Grande, copiado por Cézanne e elogiado por Proust?

Jean-Baptiste-Siméon Chardin nasceu em Paris em 1699, filho de um marceneiro. Fez a sua formação como aprendiz de Pierre-Jacques Cazes – que conquistou o prestigiadíssimo Prix de Rome no ano em que Chardin nasceu, embora hoje seja quase desconhecido – e de Noël-Nicolas Coypel. Em 1724 tornou-se mestre da Academia de São Lucas, o que atesta a competência adquirida, mas seria quatro anos depois que daria que falar, quando apresentou na Académie Royale, a 25 de setembro de 1728 o quadro A Raia (hoje um dos pontos altos do Louvre).
Chardin teve a ousadia de representar o enorme peixe pendurado num gancho, com as vísceras à vista, e uma espécie de sorriso amargo desenhado na boca. Um gato aproxima-se sorrateiramente, quase de certeza atraído pelo aroma das ostras abertas.

O objeto representado «é repugnante, mas é a própria carne do peixe, a sua pele, o seu sangue», disse então Denis Diderot (1713-1784), o filósofo que esteve na origem da Enciclopédye. «Monsieur Pierre, dê uma boa olhadela a esta peça quando for para a Academia e aprenda, se puder, o segredo de conseguir evitar através do talento a repugnância de certas naturezas». E concluía: «Contaram-me que Greuze [outro pintor famoso da época], ao subir as escadas para o Salon e ver a peça de Chardin que acabo de descrever, olhou para ela e seguiu soltando um profundo suspiro. Este elogio é mais curto e vale mais do que o meu».

Quem também elogiou A Raia foi o escritor Marcel Proust (1871-1922), no estudo que dedicou ao pintor em 1895: «Sobre a mesa, as facas ativas, que vão direitas ao assunto, repousam em ociosidade ameaçadora e inofensiva. Mas acima de ti um estranho monstro, ainda fresco como o mar onde ondulava, uma raia suspensa, cuja visão mistura com o desejo da gula o curioso encanto da calmaria ou das tempestades do mar de que foi a formidável testemunha. […]

Está aberta e podemos admirar a beleza da sua arquitetura vasta e delicada, tingida de sangue vermelho, nervos azuis e músculos brancos, como a nave de uma catedral policromada. Ao lado dela, no abandono da morte, os peixes contorcem-se numa curva íngreme e desesperada, de bruços, com os olhos salientes. Depois um gato, sobrepondo a esse aquário a vida obscura de suas formas mais sábias e mais conscientes, o brilho dos seus olhos pousado na raia, manobra com lenta pressa o veludo das suas patas sobre as ostras levantadas e revela a prudência de seu caráter, a cobiça de seu palato e a temeridade de seu empreendimento».

A mais bela orelha da arte
Com esta proeza de criatividade, observação e domínio técnico absoluto, Chardin conquistou de imediato um lugar como membro da Académie Royale e a admiração dos seus pares. Paul Cézanne, já no século XX, seguiu o conselho de Diderot e copiou A Raia; Henri Matisse reconheceu que ia com frequência ao Louvre para estudar a sua técnica.
Mas, note-se, não foi de um dia para o outro que adquiriu a mestria ali demonstrada. «Chardin parecia duvidar de que pudesse haver educação mais longa e mais penosa do que do pintor, nem a de um médico, de um advogado ou de um professor da Sorbonne», registou Denis Diderot. «‘Aos sete ou oito anos’, dizia ele, ‘põem-te um porta-giz na mão. Começamos a desenhar, a partir de gravuras, olhos, bocas, narizes e orelhas, depois pés e mãos. As nossas costas passaram muito tempo curvadas sobre o bloco de desenho quando finalmente ficamos cara a cara com uma estátua de Hércules ou com o torso, e pouco sabes das lágrimas derramadas por causa de algum sátiro ou gladiador […]. Depois de dias sem fim e noites à luz da lanterna à frente da natureza imóvel e inanimada, somos apresentados à realidade viva, e de repente todo o trabalho dos anos anteriores parece esfumar-se; não estávamos mais perdidos da primeira vez que pegámos no lápis’».

Esta aprendizagem exigente e fastidiosa deu, no caso de Chardin, brilhantes resultados. Depois da natureza morta, virou-se para as cenas de interior, inspirado pela pintura holandesa do século XVII. O seu pincel transfigurou momentos comuns do quotidiano em algumas das mais belas imagens da época: um jovem a construir um castelo de cartas (em que uma gaveta entreaberta, no primeiro plano, cria um sentimento de curiosidade em relação ao que poderá conter); uma rapariga segurando uma raquete e um volante de badminton; uma mulher, acabada de chegar a casa, a pousar as compras na bancada da cozinha (de dentro do saco sai o que parecem ser pernas de frango); uma mãe a pôr a comida na mesa para os filhos.

Chardin queixava-se dos estudos da «natureza imóvel e inanimada», mas os seus quadros captam o encanto vida. O pintor britânico Lucien Freud dizia que A Jovem Preceptora, obra de 1737 que pertence à National Gallery de Londres, tinha «a mais bela orelha da arte».

Com o tempo, Chardin consolidou uma clientela de diplomatas, aristocratas e altos funcionários do Estado, obtendo por volta de 1750 a sua primeira encomenda régia. O quadro, apresentado em 1751 e intitulado O Órgão Canoro nunca chegou, porém, às mãos do monarca.

Até que, sem aviso, ainda nessa década, o pintor regressou à sua paixão pela natureza-morta. Os seus quadros já não eram agora complexos e variados como A Raia, mas sim composições depuradas de uns quantos objetos meticulosamente organizados. Chardin pôs toda a sua arte na reprodução exata das cores, brilhos e texturas. 

Sobre um desses quadros, escreveu Diderot: «A jarra de porcelana é de porcelana; estas azeitonas estão de facto separadas do olho pela água em que as submerge; só temos de esticar a mão para tirar estes biscoitos e comê-los, abrir esta laranja de Sevilha e espremê-la, pegar no copo de vinho e bebê-lo, pegar nestas peças de fruta e descascá-las, deitar a mão a este patê e fatiá-lo. Aqui está alguém que compreende a harmonia das cores e a luz refletida. Oh, Chardin! Não é pigmento branco, encarnado ou preto que tu esmagas na paleta: é a própria substância dos objetos, é o ar e a luz que apanhas com a ponta do pincel e fixas na tela».

Jean-Baptiste-Siméon Chardin morreu, apropriadamente, no apartamento do Louvre que lhe tinha sido concedido pelo Rei. Mas não sei antes deixar dois célebres autorretratos a pastel, técnica que adoptou porque as tintas a óleo continham compostos tóxicos que lhe afetavam a saúde, em particular os olhos. Depois a sua obra caiu num longo e injusto esquecimento, até o século XIXvoltar a recuperá-lo. Num inquérito de um jornal em 1920, em que lhe era pedido que indicasse oito pinturas imperdíveis do Louvre, Proust nomeou três do autor do Cesto de Morangos Silvestres.

Os comentários estão desactivados.